O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


sábado, 14 de janeiro de 2012

Mirtilos

Estou entusiasmado e fascinado com a cultura dos mirtilos!

É uma atividade muito rentável, a qual me faz lembrar o estágio da fileira dos kiwis há 25 anos atrás quando comecei a minha carreira de engenheiro agrónomo.
Há um grande número de pessoas exteriores à agricultura que estão a abraçar esta novel atividade.
Há um entusiasmo e um excitante brilho nos olhos dos empresários e investidores desta atividade.
Há uma enorme possibilidade de progressão técnica nos pomares para melhorar a produtividade e qualidade das produções. Trata-se de uma planta muito rústica bem adaptada aos solos e climas de Portugal

Estes são alguns dos ingredientes que me baseio para recomendar que apostem nesta cultura. Vamos ao trabalho!

7 comentários:

Anónimo disse...

.
Eng Martino;

Mas para quem parte do zero, quem está em inicio de actividade, parece-me que existe um OBSTÁCULO INCONTORNÁVEL ...
É que os mirtilos ( geralmente ) só começam a produzir a partir do terceiro ou quarto ano!
Ou já existem variedades que produzam em menos tempo?


Cumprimentos
Vitor Monteiro.
.

Anónimo disse...

Uma das fileiras da moda. Dá dinheiro (exportação em fresco) mas, a meu ver, adequa-se mais para quem tem outra forma de se sustentar durante os primeiros 3-4 anos, devido ao tempo que demora a entrar em plena produção.

Dito isto, espero que cada vez mais se aposte nesta cultura para exportação e em criar boas plataformas de armazenagem/expedição com manutenção de preços "justos".

Cumprimentos
PM

Anónimo disse...

.
Pois, lá está!, os mirtilos estão fora de questão para quem quer começar do zero, assim como todos os tipos de pomares porque levam alguns anos para entrar em produção.

Então por onde começar? Investir em fileiras tradicionais como a batata?
Mais vale dedicar-se à pesca!

Inovar? Nem sequer lhe aprovam o Projecto!

Quem não faz parte do sistema ( Agricola ) nunca conseguirá impor-se, assim como na Coreia do Norte quem não idolatrava o Querido Lider seria marginalizado pelo Regime e nunca conseguiria subir na vida.
.

Anónimo disse...

...
Vitor Monteiro.
.

pedro disse...

Antes de mais quero dar-lhe os parabéns pelo excelente serviço público que presta com este blogue.

Sobre o tema, gostava muito de ser um desses entusiastas. Mas embora até tenha formação agrícola e a cabeça cheia de ideias, esbarro sempre no mesmo problema. A falta de terras no mercado e principalmente o preço pedido na região de Viana. É incrível a quantidade de parcelas praticamente votadas ao abandono para as quais pedem valores que quase o mercado da construção não suporta.

Anseio pelo banco de terras.... pena não vir a tempo de apanhar o comboio dos mirtilos e compª.

Anónimo disse...

Preocupam-me, sobretudo, duas questões na cultura do mirtilo: a elevada dependência da mão de obra e a quantidade de área que se está a plantar em mercados que produzem em simultâneo com o nosso. Só no ano passado houve reduções do preço pago ao produtor em 25%. E foi só com base num pequeno susto com a produção espanhola... O que acha desta questão? FS

Bruno Mateus disse...

Eng. Martino,

Tenho cerca de 1000m2 de terreno que gostaria de rentabilizar e gostaria de obter mais informacao acerca desta actividade. Tem referencias de pessoas ou entidades que poderei consultar? Obrigado.