O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


quarta-feira, 23 de maio de 2012

Estratégia para a Instalação de Jovens Agricultores

Maria Santos disse...

"Boa noite engº José Martino,

antes de tudo gostaria de o felicitar pelo trabalho de esclarecimento e apoio a todos aqueles que lêem o seu blog, efectivamente os espaços virtuais quando correctamente utilizados podem dar informações preciosas a quem delas necessita para evoluir na vida.
Sou neta e filha de agricultores, desde pequena que estou inserida no meio até porque foi sempre a actividade principal da minha família. Porém em termos académicos segui passos completamente distintos enveredando pela área audiovisual/multimédia, infelizmente e perante a crise que assola o nosso país eu e muitos colegas de profissão não encontramos emprego com a agravante de que a área do ensino já deu aquilo que tinha a dar.

Como nunca fui mulher de baixar braços e porque tenho no sangue o gosto pelo campo, com a idade que possuo e porque trabalhei na minha área cheguei a conclusão de que quero realizar o meu sonho/projecto de vida no ramo agricola. Quero dar passos seguros, sei que tudo na vida é um risco e a agricultura também o é, mas não devemos desistir dos nossos sonhos.
Comecei a organizar ideias e gostaria de diversificar, estou com o intuito de apostar em frutos vermelhos, mirtilos ou ervas aromáticas... porém tenho tido alguns entraves, o primeiro diz respeito às ervas aromáticas para modo biológico pois os solos de que disponho (uma parcela de 2hectares) apenas não foi cultivado há dois anos, sendo que este ano tem cevada... o que julgo que estragou a situação... a outra parcela de 1hectare e meio tem aveia. Posto isto, tenho pesquisado que os mirtilos necessitam de solos arenosos, os das minhas propriedades são argilosos, não se se adequa à zona do ribatejo que é onde resido e tenho a propriedades.
Por fim, os frutos vermelhos seria um caso a pensar, felizmente tenho as minhas ideias bem estruturadas daquilo que pretendo fazer, o maior entrave está a ser a terra.

Entretanto, posso dizer que tenho procurado terrenos e propriedades com alguns hectares para que à medida da evolução das coisas eu tenha possibilidade de expansão... tenho uma propriedade em vista com 30 hectares, toda equipada com sistemas de rega, habitação, celeiro e armazém, tal como dormitório de animais... mas pedem 400.000 euros. Fui me informar junto da banca e pedem informações como IRS, IRC do meu pai... e a questão que muitas das vezes coloco é, se temos um ou uma jovem que pretende investir na agricultura, como pode existir economia se fechamos portas? além de que os jovens agricultores ou potenciais não tem capital próprio para investir e avançar.

Assim, senhor engenheiro, gostaria de obter os seus conselhos... o que fazer na situação que lhe dei a conhecer? Qual seria a melhor aposta para os terrenos que já possuo? Visto que estou desempregada gostaria de ter rendimento no mais curto espaço de tempo possível. E se tiver de recorrer ao crédito para comprar uma propriedade como devo fazer? primeiro fazer uma projecto de instalação e só depois ir ao banco?

(Os terrenos estão extremamente inflacionados, mas ainda assim, para o Alentejo que foi onde encontrei a propriedade, pois não me importo de sair da minha actual área de residência, o meu pai com a experiência de mais de 20 anos como agricultor concordou que era um verdadeiro oásis... mas falta o capital)

Aguardarei pelos seus conselhos,

melhores cumprimentos,

Maria dos Santos

Comentários:

1 - Quando entrei no Instituto Superior de Agronomia, em Dezembro de 1980, entrei no curso que achei que era a minha vocação, em detrimento da vontade da minha família que entendia que eu poderia ter o futuro melhor acautelado se fosse médico. Sempre defendi e pratiquei uma estratégia que me levasse ao sucesso, independentemente de ter cometido muitos erros, ter feito muitas asneiras, mas nunca desisti de lutar pela agricultura, pela sua modernidade, pelo seu sucesso, para que ela se desenvolva de forma empresarial. Durante muitos anos aguentei com coragem "as bocas" de muitos que me diziam que a agricultura não era negócio, etc. etc. Felizmente nos dias de hoje muitos destes arautos da desgraça agrícola estão rendidos à conclusão que este setor da atividade económica é importante e estratégico para Portugal. Estão criadas as condições e espero que nesta altura se faça uma reforma estrutural na agricultura de forma a que esta possa contribuir realmente e com peso significativo para a criação de riqueza no país e para que os projetos da maioria dos jovens agricultores que se estão a instalar possam vingar e obter sucesso.

2 - Abrace e invista na agricultura como é o seu sonho de vida, Nunca desista de trabalhar em prol dos seus objetivos pessoais. Por mais dificil que seja o processo há sempre uma estratégia alternativa que conduz a bons resultados.


3 - Para tentar resolver o problema da certificação em MPB das parcelas com cevada e aveia, recomendo-lhe que contate a eng. Liliana Perestrelo da Naturalfa, um novo organismo certificador que está no mercado para ajudar os agricultores sobretudo os jovens (telemóvel; 913 586 296)

Sem comentários: