O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


segunda-feira, 21 de maio de 2012

Teremos na mesma direito a fundos para o projecto?

Joel Magalhães disse...

"Bom dia.

Eu e a minha namorada estamos a pensar em adquirir um terreno para instalar uma unidade de agro-turismo, na zona de Baião ou Mesão frio, e pensamos numa propriedade com pelo menos 1 hectare. Contudo, temos dúvidas em relação ao tipo de cultivo que poderemos fazer. Já pensamos em vinha, aliás é a principal ideia, e frutos vermelhos em estufas, árvores de fruto para fabrico de compotas, etc.
Vi o seu blog e gostei da forma como responde ás pessoas e como as aconselha. Gostava que nos pudesse aconselhar nesta situação, se puder.

Não somos agricultores, eu sou economista e a minha namorada é professora de 1º ciclo, pelo que pensamos nesta actividade para ter uma fonte de rendimento (extra para mim e principal para ela). Teremos na mesma direito a fundos para o projecto?

O projecto ainda se encontra em fase de estudo, pelo que a sua opinião pode ajudar a definir algumas coisas.

Obrigado."


Comentários:

1 - Devem escolher as atividades a desenvolverem na agricultura, por um lado, por serem aquelas que vos agradam para projeto de vida, pois "casarão" com elas durante muitos anos e por outro lado, pela rentabilidade gerada porque convém que façam as contas para determinarem o valor absoluto que a Vossa exploração agrícola irá libertar a partir do ano cruzeiro. Assim sendo, recomendo que as atividades e as respetivas dimensões sejam capazes de libertar o valor do salário que a sua namorada ambiciona ganhar, sob pena de passados alguns anos abandonarem a atividade agrícola.


2 - Têm acesso a 100% de apoio para investimentos até 75000 euros e 60% acima dos 75 000, tendo como teto máximo os 417 000 euros (recomendo que o IVA não seja elegivel, sendo recuperável), os jovens com mais de 18 anos e menos de 40 anos, que apresentem ao ProDeR um projeto rentável.


3 - Os jovens que se instalem pelas ajudas do ProDeR podem exercer outra profissão porque não é exigida que a agricultura seja a atividade principal. Para quem não tem formação agrícola ou experiência na atividade que irá abraçar, terá de frequentar, nos dois anos seguintes a contar da data de assinatura do contrato das ajudas, com aproveitamento, um curso de formação profissional com 212 horas de duração (dois a três fins de tarde e sábados).


4 - No vosso caso concreto, caso não façam 40 anos nos próximos 3 anos, aconselho que instalem um jovem e deixem o outro para o período de ajudas de 2014 a 2020 porque nessa altura já terão experiência na agricultura e apresentarão um projeto mais consolidado que o primeiro.


5 - Recomendo que visitem muitas explorações com as atividades do mesmo tipo que pretendam implementar, tendo como objetivo aprenderem "os seus ossos de oficio",  rentabilidade efetiva, ganharem experiência através das faturas de erros que outros cometeram, etc.


6 - O projeto do turismo pode ser candidatado, caso venha a abrir concurso, às ajudas da Ação 3 do ProDeR, associações do ex- programa Leader, exemplo, Dólmen para investimentos no concelho de Baião (as ajudas através de subsídos a fundo perdido, variam de 40 a 60%, conforme o número de postos de trabalho criados pelo projeto, zero a dois) 

Sem comentários: