O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


domingo, 22 de março de 2015

Vespa do castanheiro: o que fazer?

"Caro engenheiro,
Estou nesta altura a ponderar integrar um projeto de plantação de castanheiros no norte do país, mais precisamente no distrito de Viana.
O meu principal receio neste momento prende-se com a presença da vespa do castanheiro em Portugal.
Gostaria de lhe perguntar se não considera tratar-se de uma área de investimento com risco elevado devido à vespa."


Comentários:
1 - O investimento nos castanheiros parece-me uma excelente opção porque se trata de uma atividade produtiva que tem um valor muito interessante de diferença entre preço de venda das castanhas e custo efetivo de produção.

2 - Pode incorporar tecnologia para diminuir o número de anos até atingir a plena produção, incrementar a produtividade e qualidade das castanhas: boa preparação de terreno ao nível da fertilização sobretudo com matéria orgânica (50 litros por planta), sistema de rega por microaspersão com fertirrigação, nutrição adequada nos primeiros 5 anos, etc.

3 - Quanto à vespa asiática recomendo que plante a variedade francesa "Buoche de Bétizac", resistente à praga e que nela enxerte a variedade portuguesa mais ajustada à sua região.

4 - Creio que no futuro existirão opções técnicas para controlar a vespa asiática, no entanto, mesmo assim não conseguir produzir de forma rentável devido à praga, recomendo que nessa altura, como último recurso,  corte a planta abaixo da zona do enxerto e produza a variedade hibrida "Bouche de Bétizac"

5 - Na minha opinião não deve à partida optar pela produção de "Bouche de Bétizac" porque são  melhor opção as variedades portuguesas de castanha.  

Sem comentários: