O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Fruystach abre sede no Fundão


|Empresa aposta no pistácio para dinamizar economia do Interior de Portugal|

A Fruystach, empresa detida por produtores de pistácio com o objetivo ser uma referência na fileira dos frutos secos, vai entrar em funcionamento na próxima 2.ª feira, 4 de janeiro de 2016, com a abertura da sua sede no Fundão, no Centro de Negócios e Serviços da autarquia.

O projeto, que se irá  transformar numa OP (Organização de Produtores), tem como prioridades criar riqueza, postos de trabalho, e dinamizar a economia das regiões mais desfavorecidas de Portugal, concentrando o foco da sua atividade nos distritos de Bragança, Vila Real, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Évora e Beja.

Para além disso, a Fruystach quer, ainda, contribuir para travar a desertificação destas regiões, desenvolvendo o apoio à criação de projetos agrícolas sustentáveis.

A cultura do pistácio, ainda pouco explorada em Portugal, é a adequada aos climas destas regiões mais deprimidas, com muitas horas de frio no Inverno e muitas horas de calor no Verão. 

Além disso, o negócio do pistácio tem uma grande rentabilidade, com baixo investimento e reduzidos custos de produção. A escolha do Fundão para instalação da Fruystach justifica-se por ficar no centro de gravidade do Interior de Portugal, entre Bragança e Beja.

A Fruystach está aberta a acionistas que sejam produtores de pistácio, tendo como perfil empresarial o rigor e a disciplina na sua atividade de produção, fator chave para a qualidade do produto e para a promoção da competitividade da fileira.

A Fruystach fornece aos seus associados assistência técnica organizada, assegura a comercialização das produções dos seus acionistas, através da exportação para os países da União Europeia, maiores consumidores deste tipo de produto, o que gera valor acrescentado e mais-valias para a dinamização do negócio.

Sem comentários: