O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


terça-feira, 19 de abril de 2016

No meu caso, com 44 anos, com que ajudas posso contar para iniciar uma pequena produção agrícola?

Boa tarde, 

Conheci hoje este blog que me parece bastante elucidativo, quanto às dúvidas relacionadas com a agricultura. 

Herdei recentemente algumas terras e pretendo rentabilizar as mesmas. Até agora as terras eram ocupadas por uma agricultura tradicional (milho; batata, legumes, etc.), no entanto em minha opinião o mercado está saturado deste tipo de culturas e as existentes são feitas quase que em regime latifundiário. 

Assim o que pretendo é apostar em novas produções, apostar em frutas que não sendo nativas poderão perfeitamente adaptar-se ao n/ clima. Portugal conta com uma gastronomia cada vez mais inovadora, aberta a novos temperos e sabores, por isso creio que será uma boa aposta.

No entanto, após procura de informação compreendi que quem tem mais de 40 anos (44 no meu caso) já não é apto a investimento. Assim coloco a seguinte questão. No meu caso, com 44 anos, com que ajudas posso contar (se existirem) para iniciar uma pequena (espero que apenas no começo) produção agrária?

Comentários:
1- Pode conseguir ajudas aos pequenos investimentos de 5000 euros a 25 000 euros de investimento elegivel (há afirmações públicas do Sr. Ministro da Agricultura que este limite irá ser alargado para 40 000 euros). Os apoios serão concedidos através  de incentivos não reembolsáveis no valor de 50% do investimento elegivel, exceto na região de Lisboa e Vale do Tejo ou Algarve cujos apoios descem 10%, para 40%.

2- Para investimentos superiores a 25 000 euros (ou no futuro superiores a 40 000 euros) pode obter até 50%  ou 40% de apoio, através de subsídio não reembolsável, conforme a parcela se situe em região desfavorável ou favorável (Lisboa e Vale do Tejo ou Algarve).  

Sem comentários: