O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Algumas reflexões sobre o combate aos fogos florestais dos últimos anos

A prevenção é uma estratégia de combate aos incêndios florestais porque diminui o combustível em determinadas áreas estudadas/definidas, zonas estas que são técnicamente preparadas, onde se deveria parar o incêndio, neste sentido servem para facilitar o trabalho dos bombeiros e fazer com que eles possam acercar-se do fogo para o combater.
O trabalho dos bombeiros nos últimos anos tem como objetivo defesa de pessoas, bens e prédios urbanos, sobretudo fazer com que não morra nenhum popular ou bombeiro devido ao fogo, que não ardam casas, sendo claro que não é objetivo prioritário a defesa do património florestal, basta analisar a forma como é comunicada a evolução do incêndio. 
Quando há fogo alargado não há combate, os bombeiros recebem ordens para acompnhar a sua evolução junto de pontos estratégicos, não estando os meios colocados nas zonas onde se fez prevenção onde havia condições de parar o fogo.
Faltam grupos de especialistas nas estratégias de combate aos incêndios: competências na evolução histórica dos fogos, análise de meteorologia e topografia, tipo de incêndio, etc. para emitir recomendações ao comando operacional de combate de cada fogo.
Os responsáveis de comando deveriam subir na hierarquia com conhecimento, competências e experiência porque ajudaria muito à eficácia do combate.
Falta sistema de avaliação independente ao comando e sua estratégia no combate aos fogos florestais.

Sem comentários: