O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O que é gerir bem uma exploração agrícola?


Na minha perspetiva passa por acompanhar os pormenores da atividade diária da empresa agrícola, regista-los, tratar os respetivos dados recolhidos e tomar decisões com base nesse conhecimento adquirido. Este controlo é da responsabilidade do empresário e a parte operacional é função direta do chefe de exploração, o qual pode ser o próprio empresário ou um trabalhador por conta doutrem. O resultado do trabalho desta pessoa é chave para o sucesso produtivo da exploração agrícola traduzido em resultado financeiro e económico. Para tal é preciso que o chefe de exploração acredite que a sua atividade a desenvolver irá ter sucesso e ao mesmo tempo que tenha competências para a função nomeadamente, capacidade de observação, interesse em aprender mesmo os pormenores mais enfadonhos até às matérias mais complexas, busca incessante de soluções para os problemas que aparecem no dia a dia de uma exploração agrícola, seja nos mais irrelevantes até aos mais importantes ou determinantes, rigor e disciplina no pensamento e na ação, coragem para recomeçar após o fracasso procurando fazer melhor em cada dia face ao dia anterior mesmo que os resultados momentâneos sejam péssimos ou ruinosos, determinação em cumprir e fazer objetivos, capacidade de gestão de pessoas e equipas, etc.
Tudo isto que indiquei irá traduzir-se na realização das operações culturais na respetiva oportunidade técnica, na prevenção de problemas ou na sua eliminação rápida, atempada e eficaz.

Do ponto de vista operacional a boa gestão passa pela elaboração de plano de ação anual ou de campanha e o respetivo orçamento, bem como pela respetiva implementação e controlo de desvios. A gestão de operações e os seus custos são objeto de permanente foco com o objetivo de garantir que estão em linha com o planeado ou que novas operações decorrentes de alterações climáticas, pragas ou doenças, alterações fisiológicas, etc. são rapidamente incorporadas no plano e os seus custos colocados no orçamento e consequentemente, realizados os ajustamentos possíveis noutras operações culturais para ajustar e minimizar os custos de produção.

Por outro lado é muitíssimo importante encontrar os operadores comerciais que deem valor acrescentado às produções, procedendo aos pagamentos nas datas combinadas/contratualizadas.

No final de cada ano ou campanha, o empresário deve proceder a uma análise crítica ao plano de ação e orçamento, comparar entre o planeado e o executado, junto com a análise financeira e económica dos resultados obtidos. Deve anotar o mais importante e incorporar esse conhecimento no plano e orçamento seguintes.

É prudente e de boa gestão possuir duas atividades dentro de cada exploração agrícola como forma de minimizar o risco decorrente de uma delas ter deficiente rentabilidade momentânea. O empresário agrícola deve ter uma atitude permanente de aceitação e implementação de reconversão e mudança de atividades. Esta estratégia é chave para o sucesso empresarial do projeto.  

Sem comentários: