O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Apicultura

Sobre o mel faz uns dias comentava sobre esse assunto: visão e punho forte precisa-se! O grupo Maes Honey radicado em Salamanca é o principal exportador de mel espanhol. Numa notícia de 2016, afirma que o principal mercado de exportação é precisamente Portugal e Itália. Para entrar em solo português é necessário existirem compradores. O mel entra em formato de mel a granel e posteriormente é transformado em potes de mel de marca branca, como pode ser o caso do mel "marcas brancas dos hipermercados" onde quase ilegível se escreve "mistura de méis CE e não CE". É necessário educar o consumidor também.

Comentários:
1. O consumidor português médio procura adquirir mel com o preço mais baixo de prateleira o que certamente incentivará a procura no mercado internacional, de mel de muito baixo preço, independentemente da sua origem.

2. Concordo com o leitor que é preciso educar o consumidor para que adquira e valorize o mel certificado de DOP's e IGP's, sabendo ler e valorizar o que se encontra inscritos nos rótulos sobre a mistura de mel de várias proveniências internacionais, portanto que o consumidor saiba que não está a comprar mel de Portugal, mel de alta qualidade.

3. Falta na fileira apícola um associativismo forte, do século XXI, que congregue os vários players de cada elo da fileira, coloque à frente de todos os objetivos a defesa intransigentes dos superiores interesses sócios profissionais dos apicultores, fazendo-o através de plano de ação cujo orçamento base é suportado pelos apicultores associados.

4. Faltam organizações de produtores que tragam eficiência e eficácia à agro industria do mel e à sua comercialização, assim como assistência técnica organizada, constante e permanente ao longo do tempo.

5. É preciso que o Estado estabilize as ajudas aos apicultores através de um quadro de apoios de longo prazo (5 a 8 anos) e que pague atempadamente nas datas respetivas, as ajudas a que se comprometeu.

Sem comentários: