O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


sábado, 17 de fevereiro de 2018

Seguros agrícolas de colheita

Eng, José Martino, boa noite,

Li o seu artigo sobre os seguros agrícolas e fiquei com uma dúvida: Na sua opinião de especialista, O QUE DEVE FAZER O ESTADO PARA INCREMENTAR O NÚMERO DE AGRICULTORES QUE SUBSCREVEM SEGUROS AGRÍCOLAS DE COLHEITA?

Obrigado


Comentários:
1. Uma forma eficaz de o conseguir fazer seria consignar na legislação a obrigatoriedade de cada agricultor ter uma apólice de seguro agrícola de colheita, a qual seria um instrumento de compensação em caso de prejuízo, uma espécie de amortecedor da tesouraria em caso de calamidade pela actuação dos apoios públicos e noutra perspectiva levaria ao forte abaixamento do valor do prémio do seguro colocando-o em linha com a margem gerada pela maioria das actividades agrícolas. Claro que esta imposição seria uma obrigação equivalente ao seguro automóvel, o superior interesse público gerado, na minha opinião, ultrapassa a liberdade contratual de cada empresário agrícola pode decidir livremente se faz ou não seguro, fazendo com que o sistema de seguros seja sustentável com ganhos para todos. 

2. O sistema actual em vigor só tem interesse para quem tem probabilidade anual ou bianual de sinistros. Para a maioria dos empresários agrícolas só há interesse fazer seguro agrícola de colheita naqueles casos em que o dinheiro público intervém, quer nos apoios diretos às companhias de seguros, quer nos apoios através das organizações de produtores. 

3. Uma outra alternativa ao sistema actual de seguros seria permitir que as seguradoras tivessem uma intervenção transnacional dando incremento de dimensão ao mercado nacional de seguros, isto é, ter apólices de seguros que funcionam da mesma forma em vários países.

4. Na minha opinião, o estado actual de funcionamento do sistema de seguros agrícolas de colheita não serve os interesses dos agricultores, das regiões e de Portugal porque não traz soluções para os agricultores. É preciso fazer uma intervenção política que torne eficaz o funcionamento do sistema agora que as alterações climáticas se fazem sentir de forma efectiva através de novos fenómenos e sinistros, os quais vieram para ficar para as próximas décadas. É preciso soluções! É preciso por o sistema de seguros agrícolas de colheita a funcionar em prol dos agricultores!  

Sem comentários: