terça-feira, 16 de Setembro de 2014

Ainda há possibilidade de me candidatar aos projectos Jovens Agricultores ??


João Abel Pereira disse:
"Bom dia ! Desculpe estar a incomodar mas apenas queria que me esclarecesse uma dúvida.

Ainda há possibilidade de me candidatar aos projetos Jovens Agricultores ?? 

Porque no site da PRODER consigo visualizar que as candidaturas fecharam em 30 de junho de 2014 mas no mesmo site leio que as candidaturas abririam novamente em Setembro de 2014.

Agradecia que me pudesse ajudar nesta questão. Um muito bom dia e obrigado."
 
 
Comentários:
1 - Neste momento não se pode candidatar às ajudas para se instalar como jovem agricultor porque fecharam em 30 de junho de 2014.
 
2 - No inicio do mês de junho num Evento da Feira Nacional de Agricultura sobre as ajudas públicas ao investimento na agricultura, o Senhor Secretário de Estado da Agricultura, Eng. José Diogo Albuquerque, membro do governo responsável político direto por estas ajudas,  afirmou que as ajudas do ProDeR continuariam abertas até à entrada em vigor das ajudas do PDR 2014-2020.
 
3 - Certamente que a promessa da abertura novamente em setembro teria por objetivo limitar os problemas políticos decorrentes do indicado em 2.
 
4 - Recentemente o mesmo responsável político deu uma entrevista ao Semanário "Vida Económica" em que afirmou que a abertura do PDR 2014-2020 se realizaria em meados de novembro. Estas informações foram confirmadas publicamente pela Sra. Ministra da Agricultura na semana passada. 
 
5 - Na minha opinião deve preparar o seu projeto quanto antes tendo por base a tramitação do ProDeR, para o caso deste abrir. Se tal não acontecer será muito fácil e rápido adaptá-lo ao PDR 2014-2020. 

Prazos limites para investimentos elegiveis no ProDeR

Rui Pinto disse:

"
Olá, boa noite,

O meu nome é Rui Pinto e tenho um projeto do Proder aprovado.

Tomei a liberdade de lhe enviar o email, pois sigo o seu blog e tem-me ajudado muito. Se me poder ajudar agradecia.


Tenho um projeto Proder onde Assinei o contrato em Abril de 2014, o projeto foi submetido em Fevereiro de 2013 e aprovado em Novembro de 2013.

Tenho tudo controlado para executar o projeto segundo os parâmetros temporais normais e que sempre me foram transmitidos, seis meses depois de assinar o contrato para iniciar o projeto e 2 anos para fazer o investimento.

Qual é o meu espanto, em Agosto de 2014 fui notificado pelo Proder informando que tenho que terminar o projeto até ao final de 2014. Já fiz várias exposições e a resposta é sempre a mesma, tenho que obrigatoriamente terminar o projeto porque este quadro comunitário está a terminar. Ora, penso que esta situação deve ser gerida pelo Proder sem penalização dos respetivos promotores.

A minha maior dificuldade é conseguir cumprir com a formação necessária e terminar todo o investimento.

O que acha que posso fazer para conseguir viabilizar o projeto? Acha que o prazo dado está de acordo com os parâmetros normais?

Muito obrigado."

Comentários:
1 - É muito importante ler o contrato antes de proceder à sua assinatura, pois certamente verificaria que a data de términus do investimento é aquela que o ProDeR o notificou, a qual é decorrente da legislação europeia.

2 - A minha sugestão é que faça o máximo de investimento que lhe seja possível em 2014 (mais de 60%) apresentando quanto antes o respetivo pedido de pagamento e solicitando a prorrogação do prazo de investimento não realizado até 30 de junho de 2015 (O ProDeR tem poderes para aceitar ou não o alargamento do prazo de investimento até esta data limite). No entanto, como lhe estou a dar uma opinião teórica porque não conheço os pormenores do seu caso, recomendo que peça opinião sobre o que deve fazer, ao consultor que elaborou o seu projeto. Caso não seja possível marque uma reunião com a Eng. Sónia Moreira da Espaço Visual (917 075 852).  

segunda-feira, 15 de Setembro de 2014

Estágios Formativos Helicicultura

IIIª IVª e Vª Edição Estágio Formativo em HELICICULTURA  

A Espaço Visual dará início, nos próximos meses de 2014, a IIIª, IVª e Vª Edição do Estágio Formativo em “Helicicultura”, a decorrer nas zonas norte, centro e sul do País.

Este estágio tem a duração de 32 horas e decorre aos sábados. Contempla o acompanhamento de todo o processo de montagem, preparação dos viveiros/estufas, ciclos de engorda, apanha, embalamento, comercialização das caracoletas e também uma abordagem à reprodução.

É objetivo deste estágio colocar o formando em contacto com uma exploração real, onde desenvolverá competências para operar o maneio alimentar, reprodutivo, higio-sanitário e produtivo de uma exploração de caracóis.

O know-how e a capacidade para resolver problemas reais de um negócio de caracóis só se adquirem praticando e estando em contacto direto com a atividade durante todo o ciclo reprodutivo.
 
Aceite o nosso desafio e garanta resultados!
 
Conteúdos Abordados:
- Enquadramento legal das explorações de helicicultura
- Sistemas de criação de caracóis
- Alimentação das caracoletas.
- Controlo do ritmo de crescimento
- Manutenção da estufa
- Limpeza da estufa e preparação da terra
- Rega
- Seleção de reprodutores
- Apanha e seleção de caracoleta de 1ª e 2ª
- Controlo das perdas
- Processo de purga
- Embalamento e comercialização
- Boas práticas de segurança, higiene e saúde no trabalho
- Mercados
- Reprodução e maternidade
- Alevins
- Custos da atividade
- Materiais e equipamentos envolvidos na helicicultura
 
Estágio Formativo em “Helicicultura”
Edição Data de inícioLocalidade
IIIª27/09/2014Esposende
IVªa determinarRio Maior
a determinarAlgarve
 
Nota:
As inscrições serão limitadas ao número de vagas disponíveis.
A realização da IVª e Vª Edição do Estágio Formativo em “Helicicultura” está sujeita a um número mínimo.
 
Todos os interessados deverão entrar em contato com :
dep.formacao@espaco-visual.pt

domingo, 14 de Setembro de 2014

Seminário "Frutos Secos - Uma Perspetiva Para a Fileira"

 A Espaço Visual organiza um seminário sobre os “Frutos Secos - uma perspetiva da fileira” que decorrerá no próximo dia 04 de outubro de 2014, nas suas instalações em Gondomar (AV. Associação Comercial Industrial, n.º 290).
 
 
 
Programa
Frutos Secos - Uma Perspectiva para a fileira
4 de Outubro de 2014
Gondomar


14:00h
Sessão de abertura
 
14:10h
Perspetivas da fileira da Noz
Entidade a Indicar
 
15:00h
Aspetos técnicos da cultura de nogueiras
Eng.º Augusto Assunção (Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte)

16:00h
Pausa para Café

16:15h
Perspetivas da fileira da Castanha
Prof. José Laranjo (RefCast - Associação Portuguesa da castanha)

17:00h
Inovação no sector – caso de sucesso
Engª. Anabela Doreta (Agroaguiar)

17:45h
Aspetos económicos e financiamento para a produção de noz e castanha.
Eng.ª Dina Fernandes, Diretora Geral Espaço Visual

18:00h
Debate
Moderador: José Martino, Gerente da Espaço Visual

18:30h
Encerramento
 

Formação Profissional Agrícola Certificada


 A Espaço Visual aposta forte na formação profissional como alavanca de melhorar e incrementar as competências dos jovens agricultores, empresários agrícolas e outras pessoas que fazem ou querem vir a fazer agricultura em part time. Neste sentido a Direção Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT) certificou a Espaço Visual como Entidade Formadora em Industrias Alimentares, Produção Agrícola e Animal, Floricultura e Jardinagem. 
 
A formação profissional da Espaço Visual é uma mais valia para o sucesso dos agricultores porque vai aos pormenores e tira partido da experiência de quem tem sucesso. 
 
Peço a todos os interessados que preencham em    
http://www.espaco-visual.pt/novidades/230/a-espaco-visual-da-formacao-profissional-certificada/
o inquérito relativo ás suas necessidades específicas de formação pois desta maneira a Espaço Visual irá de encontro aos pormenores das Vossas atividades.

Parcerias jovens agricultores com investidores


Ana Carvalho disse:
"Boa tarde Sr. Engenheiro José Martino.
Vi o seu blog e achei fabuloso, considero até que seja uma ajuda preciosa para muitos jovens como nós que necessitam de um aconselhamento por alguém que esteja "dentro do assunto" como se costuma dizer.
Não sabia se deveria colocar a questão por e-mail ou directamente no blog pelo que optei pelo e-mail.
Somos um jovem casal residente no interior norte do país, mais especificamente Vila Flor, que face a conjuntura económica (bastante) desfavorável do país e a escassez de emprego, decidimos "arregaçar" as mangas e utilizar os recursos que já possuímos: um terreno com cerca de 3 hectares. Fizemos alguma pesquisa e pensamos que talvez pudéssemos fazer um projecto de produção de physalis, visto que é um produto ainda pouco explorado no nosso país (segundo o que pesquisamos) e já existe aqui na nossa zona, pelo que sabemos que o clima e o solo não será um problema. 
Estamos indecisos pois não sabemos como escoar o produto nem se será um investimento que valha a pena. 
Tem alguma outra sugestão que nos possa dar que seja, na sua opinião, mais adequada para dois jovens em inicio de vida e com rendimentos baixos?
Desde já agradeço pela atenção e tempo disponibilizados."

Comentários:
1 - As questões devem ser colocadas nos comentários do blog.

2 - Gosto e aprecio a Vossa atitude e comportamento face à conjuntura económica e financeira da sociedade portuguesa "arregaçar as mangas" e assumir nas Vossas próprias mãos a criação dos Vossos postos de trabalho através do empreendedorismo, sendo persistentes e não abdicando de "levar a carta a Garcia" .

3 - Para "jovens em inicio de vida e com rendimentos baixos" sugiro que se juntem a investidores que tenham experiência em negócios.

4 -  Reitero o interesse que tenho em participar em sociedades por quotas com jovens agricultores que sejam pessoas séria e tenham a Vossa atitude, conforme o que expliquei em 1, que tenham o projeto aprovado e precisem quem lhes aporte capacidade de gestão, capital (próprio e/ou bancário), estratégia comercial, etc.  Quem estiver interessado apresente proposta através do e-mail  jose.martino@espaço-visual.pt, bem como os seus pontos fortes como pessoa empreendedora e na sua perspetiva, as mais valias do negócio.

5 -  A fórmula indicada em 4 parece-me uma excelente estratégia para diminuir os riscos de insucesso na instalação dos jovens agricultores.     
 

Goji


Bruno Esteves disse:
"Boa tarde sr. engenheiro, estou a estudar a viabilidade de uma exploração de goji em Melgaço (alto minho). No entanto, sendo uma cultura em que é importante ter assegurado o escoamento do produto, estou com algumas dificuldades em obter informação sobre esse assunto. Gostaria de lhe perguntar que soluções existem para o escoamento e se existem cooperativas no norte que trabalhem com este fruto. O terreno é de 1 hectare e caso apresente viabilidade pretendo concorrer como jovem agricultor. Já agora quero também expressar o meu agradecimento pela informação e pelos esclarecimentos de grande utilidade que tem disponibilizado no seu blog.
Cumprimentos,"
 
Comentários:
1 - Terá de continuar os seus esforços para encontrar canais de comercialização e valorização das suas produções das bagas de goji porque aconselho que primeiro se acautele a comercialização e só depois se pense na produção.
 
2 - Não tenho conhecimento de organizações de comercialização para as bagas de goji. Contacte a Bfruit para ficar a saber que ideias têm sobre este produto 

Instalação de Jovens Agricultores


João Lopes disse:

"Sr. Engenheiro, pretendo dedicar-me como jovem agricultor no Alentejo para produção de animais, é possível? Dão apoio?

Atentamente,"

Comentários:
1 - Pode-se instalar como jovem agricultor com a produção de animais para carne ou leite.

2 - São apoiados os investimentos (custos sujeitos a amortizações acima de um exercício contabilístico) com instalações, máquinas e equipamentos, melhoramentos fundiários, etc. Há limitações nos apoios à compra dos animais reprodutores (são apoiados no âmbito do prémio).

3 - Para saber todos os pormenores marque uma consulta com Benjamim Machado no escritório que a Espaço Visual tem em Beja (telemóvel: 924 433 183)

quarta-feira, 10 de Setembro de 2014

Mirtilos na Beira Interior

Patrick Silva disse:

Boa tarde sr Engenheiro José Martino O meu nome é Patrick Silva e sou um jovem que pretende empreender na área da agricultora . Desde já obrigado por criar e manter este blog. Tenho em vista um terreno de 20 hectares no concelho de idanha-a-nova. Com viabilidade para 12 hectares de souto, 5 hectares de mirtilo e 3 hectares de carvalho. Gostaria de lhe perguntar se é possível realizar um projecto jovem agricultor para infra-estrutura e instalação dos 5 hectares de mirtilo e simultaneamente realizar um pedido de apoio ao agro 448 para plantação de castanheiros híbridos microrizados, assim como ao rede natura 2000 para a plantação de carvalhos igualmente microrizados. Gostaria igualmente de lhe perguntar a sua opinião sobre este investimento do ponto de vista de escoamento e possível rentabilização das produções na região. Mais uma vez obrigado, como jovem agricultor e português.

Comentários:
1 - Pode fazer um projeto ao PDR 2014-2020  para se instalar como jovem agricultor com os 5 hectares de mirtilo e/ou 12 hectares de souto e posteriormente, pode recorrer a outros tipos de apoio para realizar outros investimentos na sua exploração agrícola.

2 - Para a comercialização dos mirtilos contate a Bfruit para que esta empresa analise consigo se tem logística e condições para valorizar dos seus mirtilos produzidos na Beira Interior

Heliciultura

Sérgio Milhazes disse:

será a helicicultura apoiada pelo ProDe ou PDR???


Comentários:
1 - A helicicultura é uma atividade agrícola e portanto, os seus investimentos são apoiados pelas ajudas públicas para o efeito.

2 - Investimentos são custos contabilísticos sujeitos a amortização (custos contabilizados acima de 1 ano).

3 - A aquisição dos caracóis, animais reprodutores, não é apoiada pelos ajudas públicas ao investimento. No PDR, no âmbito das ajudas ao prémio de 1.ª instalação, pode ser apoiado os custos com os caracóis reprodutores, desde que não as ajudas totais não ultrapassem os 85% do investimento e o valor do apoio fique entre o prémio base e os 70 000 € (valor total do prémio de 1.ª instalação)    

Romãs

Marco Franco disse:

"Boa noite Sr. Eng. José Martino Estou a pensar em investir num projecto de romãs, através do programa Proder tenho 29 anos, possuo cerca de 7 hectares de terreno . Neste sentido gostaria de lhe colocar algumas questões: o terreno fica próximo de Beja seria ideal para este projecto? qual seria o custo de investimento,e se seria pouco rentável ou não derivado a área do terreno... Eu ouvi falar da associação de beneficiários do roxo,que tem um projecto Transformação e Comercialização da Romã,para agricultores para incentivar o cultivo da romã. Pensei em marcar uma entrevista para expor a minha ideia e tentar perceber se obteria ajuda no escoamento do fruto ou qual o tipo de ajudas obteria, seria uma boa ideia? agradecia uma resposta,e peço desculpa pelo incomodo. seria um sonho para mim este projecto, mas ainda tenho pouco conhecimento nesta área...obrigado.

Comentários:
1 - A romã parece-me uma atividade muito interessante para o Alentejo.

2 - O solo e clima da sua exploração perto de Beja terão de ser analisados para se verificar se têm as condições de solo e clima adequado para a cultura.

3 - Parece-me boa opção contatar a Associação de Beneficiários do Roxo para obter informações sobre a cultura da romã: contas de cultura (custos de investimento, custos de exploração, produtividade anual até à plena produção, preço de valorização das romãs, etc.), condições de comercialização, etc.

4 - Recomendo que visite explorações de romãs quer em Portugal, quer em Espanha para perceber e dominar os pormenores da atividade.   

Como promover o desenvolvimento agrícola de uma freguesia?


Nelson Real disse:
 
"Boa tarde,

Não querendo fazer do seu blog um consultorio agricola,mas aproveitando o facto de ser um dos maiores especialistas agricolas em Portugal aproveito este meio para colocar uma pergunta.

Trabalho para uma junta de freguesia de Valença do Minho e queremos dinamizar a parte agricola da freguesia.Para evitar que muitos terrenos fiquem ao abandono e proporcionar tb algum retorno financeiro, pensamos no tremoço como uma cultura para esse efeito. Na sua opinião de especialista, seria esta uma boa opção, teremos mercado para a produção?(entre 10 a 15 ha entre os agricultores participantes). Poderá haver outra cultura mais interessante e apropriada?
 
Comentários:
1 - Parece-me pioneiro e muito interessante que uma junta de freguesia se disponha a promover o desenvolvimento agrícola do seu território.
 
2 - Defendo que as atividades agrícolas a promover e desenvolver tenham pelo menos um operador comercial credível que se responsabilize pela valorização das suas produções. 
 
3 - As atividades a desenvolver devem ter por base a conta de cultura / plano de negócios que determinem o intervalo dos custos de investimento, o rendimento bruto expectável, os custos de exploração, o período temporal para recuperação do capital, captação de apoios públicos ao investimento e rendimento, etc. Por outro lado, deve ser elaborado um plano estratégico de promoção da atividade.
 
4 - Na minha opinião o mercado do tremoço não é interessante para rentabilizar explorações agrícolas de pequena dimensão porque a margem bruta da atividade é muito baixa.
 
5 -  Qual a superfície média por exploração? 1 ha? 10-15 ha?
 
6 - Se a superfície média por exploração for da ordem de 1 hectare recomendo os pequenos frutos. Podem recorrer à Bfruit para a comercialização e assistência técnica.
 
7 - Para terem os documentos indicados no ponto 3 podem recorrer à Espaço Visual para os elaborar. Se pretenderem obter mais informações contactem a eng. Sónia Moreira (917 075 852).       

terça-feira, 9 de Setembro de 2014

Melhorar a fertilidade de um solo saibroso

Alberto Magalhães disse:

Boa tarde Engº José Martino Tenho uma area de terreno de onde existiram eucaliptos durante muitos anos, limpei uma área desse terreno, mas a terra está muito pobre e é quase só saibro. Que poderei fazer para tornar o terreno fértil e produtivo, falaram-me em deitar calcário, será que isso resulta? Muito Obrigado.

Comentários:
1 - Agradeço que se tenha identificado conforme solicitei porque lamento informar que hoje recebi vários pedidos de opinião que não cumprem esta condição e como tal não obterão comentários da minha parte.

2 - Para tornar fértil um solo de saibro deve juntar-lhe um corretivo agrícola orgânico de alta qualidade que se mantenha no solo durante vários anos. Neste caso recomendo pelo menos a aplicação a todo o terreno de 10 toneladas de Nutrimais por hectare

3 -  A correção do pH vai depender da cultura que lhe vá instalar no futuro, isto é, se for plantar mirtilos necessita de pH ácido à volta de 5, embora muitas outras culturas precisam que se aplique calcário ao solo para subir o pH para níveis ao redor de 6.

4 - Para obter as quantidades exatas de corretivos e adubos a aplicar ao solo deve mandar fazer-lhe uma análise. Recomendo que pesquise na net laboratórios de análises de solos, faça a recolha de amostra de solo e envie-a pelo correio ou se quiser resultados mais exatos contrate um técnico para visitar o terreno, tratar da recolha de terra para análise de solo e elaboração do respetivo parecer (P. F. contate a Eng. Sónia Moreira da Espaço Visual  (tel: 917 075 852)).    
 

segunda-feira, 8 de Setembro de 2014

Pedido de adiantamento das ajudas de um projeto ProDeR

Maria Santos disse.

Bom dia Eng. José, é possível fazer um pedido de pagamento e pedir o adiantamento do financiamento? Poderia de explicar como funcionam os adiantamentos?

Comentários:

1 - O pedido de adiantamento funciona como um pedido de pagamento pelo que não poderá ser formalizado juntamente com um pedido de pagamento do investimento.

2 - O montante máximo de um pedido de pagamento é 50% do valor do apoio ao investimento, sendo necessário para formalizar o pedido uma garantia bancária de 110%  do valor do pedido e as respetivas certidões de não dívida à segurança social e finanças.

3 - A minuta da garantia bancária encontra-se disponível no portal do IFAP. 

Submeti o projeto ProDeR e tendo justificação para a mudança preciso alterar a parcela de investimento. É possivel?

Priscilla N. Pegas disse:

Boa tarde, Engº José Martino. Precisava saber se depois de termos o projecto Instalação de Jovens Agricultores Proder (submetido em 2013 ainda), é possível alterar o terreno, pelo terreno mesmo em frente ao original, e ligeiramente maior e fora de zonas REN ou RAN? Parece loucura, mas somente 1 ano e meio depois, consegui o preço que podia de pagar pelo terreno mesmo em frente ao actual (que são ambos do mesmo proprietário). Esse tem melhor acesso, fica mais barato o furo e a puxada de eletricidade, e ainda não cria entraves para construir armazém, por estar no PDM. Obrigada pelo esclarecimento. Priscilla N. Pegas

Comentários:
1 - Não tem havido qualquer entrave ao tipo de alterações indicado porque o ProDeR neste como em muitos outros aspetos têm gerido o processo com muito bom senso, parte do principio, com o qual concordo inteiramente, que os proponentes são pessoas idóneas que são responsáveis pelas propostas que lhe apresentam.

2 - Caso necessite de apoio para prestação de serviços para resolução deste problema contate a Eng. Sónia Moreira da Espaço Visual (917 075 852).