O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


sexta-feira, 27 de março de 2015

Aboboras Gila


"Exmo. Senhor Eng. José Martino

Antes de mais quero felicitá-lo pelo excelente trabalho no seu blog. Um trabalho realmente útil para os interessados na área agrícola, tanto para principiantes (como eu) ou para os mais experientes.

Passo a citar o motivo deste contacto, tenho vindo a produzir anualmente, e em pequena escala, aboboras Gila. Consigo escoar parte da produção para particulares e a outra parte para um único cliente que me compra para vender a outros. (diz ele)

O meu pedido de ajuda, conselho, é o seguinte, sendo o senhor uma pessoa que está ativamente dentro da área agrícola deste pais e arredores, tem conhecimento de algumas empresas/organizações ou cooperativas que recebam esta abobora diretamente do produtor, tanto para transformação ou para exportação?

Tem alguma opinião formada a cerca da produção desta abobora, inicialmente esta a servir-me apenas como um extra anual, que nesta altura de crise me tem feito muito jeitinho. 

No fundo o meu objetivo é alargar a produção, tenho pesquisado muito mas não tenho tido muito sucesso em encontrar empresas para o escoamento direto do produto, no entanto esse tal senhor que me leva cerca de metade da produção (entre 5 e 9 cent./Kg), parece ter grande facilidade em escoar toda a produção e mais alguma. Pelas entrelinhas e sem se alongar muito até já me falou que algumas vão parar a frança.

Um muito obrigado desde já pela possível resposta,

Com os melhores cumprimentos"
 
Comentários:
1 - Não publico nomes, endereços de e-mail e n.º de telemóvel, por isso não é necessário pedir-me para não fazer.
 
2 - Faça o seu trabalho comercial: contate cadeias de supermercados, grossistas nos mercados abastecedores de Lisboa e Porto , empresas grossistas, etc. Contate o AICEP  para conseguir contatos de importadores franceses.
 
3- Na minha opinião este é um negócio para quem tem contatos comerciais e ao mesmo tempo sabe produzir este tipo de abóboras.

Tenho competência: não deveria ter ajudas ao investimento de 100%?

"Boa noite,
Vou lhe explicar o porque do meu projeto, este projeto vem no seguimento de Nós, um casal estar fora de Portugal a tentar governar a sua vida, tentando ser o mais feliz possível fora do seu seio familiar.
Eu percebi o que me disse o que eu gostaria que me explicasse, se fosse possível, é porque é que o projeto tem um financiamento de 55.000€ a 3.000.000€, e quando um casal se quer dedicar de corpo e alma ao seu projeto, projeto feito e desenvolvido em base de estudos feitos e de experiencia própria, não existe possibilidade de ser aprovado a 100€% visto que existe viabilidade de a empresa faturar mais de 40% de lucro ao Ano(o que é bastante raro numa empresa em Portugal tenha lucros assim), fazendo a economia crescer, podendo criar mais postos de trabalho, investir num sector de carência, valorizar o nosso país e mostrar a toda a gente que um casal que se encontrava no estrangeiro, voltou para Portugal para fazer a sua vida, o seu projeto de Vida na sua terra, incentivar os jovens com visão que é possível ter se um bom negocio e acima de tudo um negocio que lhes vai proporcionar uma vida no seu País e não precisa de se deslocar para o estrangeiro para a ter, o que é um fator muito importante a ter.

Muito obrigado pela atenção dispensada,".


Comentários:
1 - O sistema que existe no PDR 2020 é um conjunto de ajudas financeiras, entre elas ao investimento na agricultura e não um financiamento integral de todas as necessidades de dinheiro até equilibrar a tesouraria do seu negócio agrícola.

2 - O empreendedorismo pressupõe capitais próprios do investidor pelo menos 15% das necessidades totais de dinheiro, investimento e custos de exploração, custos elegíveis e não elegíveis.

3 - Recomendo que apresente o seu plano de negócios a empresas de capital de risco ou business angels para obter os capitais que lhe faltam para financiar o investimento porque com a rentabilidade indicada, o seu perfil de competências profissionais, gestão de equipas, gestão de projetos, etc. certamente não faltarão investidores dispostos a repartir o risco.

4 - Vá à luta! Não desista! Prove que é capaz de dar à volta às dificuldades!  

quarta-feira, 25 de março de 2015

Que atividade agrícola devo escolher?


Exmo. Senhor Eng. José Martino

Tenho acompanhado com muito interesse o seu blog faz algum tempo, infelizmente e só agora tenho oportunidade o contactar.

Vivo e trabalho em Angola faz alguns anos e agora por motivos de acidente, estou em Portugal (e estarei por uns meses) a recuperar de uma lesão.

Tenciono regressar a Portugal definitivamente e em breve(estou desgastado e cansado de estar longe da família) e gostaria de fazer alguns investimentos na área Agrícola, no entanto, manda a prudência que antes de qualquer investimento, sejam ponderadas as oportunidades/dificuldades e sobretudo o conhecimento da área, o que no meu caso é nulo, por muito que tenha ideias sobre a área, não tenho nem experiência nem formação e como não sou “ovelha” para ir atrás dos outros quero fazer o meu projecto à minha maneira (a minha formação de base é na área da Comunicação e do Marketing e a minha experiencia profissional é sobretudo internacional). Gostaria de lhe colocar algumas questões e sei que em breve irei contactar a sua empresa para discutir mais aprofundadamente este assunto, nomeadamente:

1 Necessito de um curso geral (básico) sobre Agricultura e Gestão Agrícola (queria aproveitar esta paragem de uns meses em Portugal para o fazer) pode-me indicar algum na zona Norte, por favor?;

2 Tenho interesse e disponibilidade para comprar um terreno, na Região Minho com área mínima de 50.000m2 (algo que tem sido difícil de encontrar como imagina…) como investimento para desenvolvimento de actividade agrícola, no entanto não tenho ainda uma ideia absolutamente definida sobre o que fazer nele, mas sim várias que não sei se serão exequíveis e rentáveis…

Gostaria de me dedicar à produção de vinho (verde tinto) pois acho que é um produto negligenciado…e à produção de Frutos,  nomeadamente Ameixa e Castanha (não ponho de parte as PAM).

Considera estas áreas de actuação viáveis e interessantes? Será esta região boa para estes investimentos? Que outras culturas me pode aconselhar? Ou deverei esperar até ter formação específica na área agrícola, em função de ter o terreno para me decidir?

Obviamente sei que para a montagem do investimento, vou recorrer a si e à Espaço Visual para me ajudar a passar da teoria à prática.

Muito obrigado"
 
Comentários:
1 -  Li esta madrugada um artigo em que está estudado que os empreendedores de sucesso são aqueles que possuem qualidades de fazer acontecer em lugar do domínio do conhecimento técnico. Pela minha própria experiência empresarial,   posso afirmar que a atitude e determinação na procura do cumprimento dos objetivos, no conhecimento e domínio dos pormenores, é mais importante para o sucesso empresarial na agricultura que a licenciatura ou mestrado nessa área.

2 - Recomendo construção do seu próprio plano de negócios (mesmo que simples ou sumário) visitas de estudo a explorações agrícolas, estágio numa exploração agrícola. Marque uma consulta com a Eng. Sónia Moreira da Espaço Visual (917 075 852).

3 - Para as produções que tem interesse procure, em primeiro lugar, operadores para a sua comercialização e valorização, pois caso contrário, corre o risco de se equivocar nos resultados económicos. Das atividades que elencou a de maior potencial económico é a castanha, mas a longo prazo (5/8 anos).

4 - Escolha as atividades agrícolas em função da sua vocação pessoal: maior ou menor gosto pelos pormenores ou estar confinado num espaço físico.  

Pequenos frutos em Alijó


"Muito boa tarde Eng. José Martino, sou seguidor do seu blogue há mais de um ano, e tenho visto algumas ideias de projectos que eu gostava fazer.

Estive no dia 11 de Março em Lisboa no auditório no alto dos Moinhos na sessão de esclarecimento das ajudas PDR 2020, sou natural de Trás os Montes mais concretamente do concelho de Alijó mas ainda resido em Lisboa. Gosta se me pudesse ajudar em relação as minhas duvidas que são algumas, eu tenho dois terrenos separados cerca de quinhentos metros um do outro, um dos terrenos tem cerca de 1 hectare e é totalmente plano, já foi terreno de cultivo, o outro é em socalcos e são cerca de cinco mil metros. 

As minhas duvidas são, com estes dois terrenos posso-me candidatar a apoios para jovem agricultor, no terreno maior pensei em plantação de framboesa, se o terreno for bom para essa cultura que é uma duvida que tenho e no outro terreno outro tipo de cultura talvez mirtilos. 

Atenciosamente"
 
Comentários:
1 - Teoricamente pode candidatar-se com 1,5 ha de superfície, às ajudas públicas ao investimento previstas para instalar jovens agricultores no PDR 2020. Convém elencar os custos de investimentos em infraestruturas e melhoramentos fundiários, como por exemplo, furos de captação de água, charcas de armazenamento de água, cabina de rega, armazém, terraplanagem, despedrega, drenagens, etc.
 
2 - No investimento em pequenos frutos deve privilegiar a ligação a uma organização comercial e os custos diários que irá ter com a entrega das suas produções no entreposto ou posto de receção.
 
3 - Na minha opinião deveria avaliar a aptidão dos seus terrenos no que diz respeito a solos e clima para a cultura dos pequenos frutos.  Recomendo que peça à Eng. Inês Anacleto da Espaço Visual  para realizar uma visita ao terreno (910 905 474).

terça-feira, 24 de março de 2015

Viana do Castelo: atividades agrícolas com potencial?

 "Olá boa noite,
 Espero que este email não  vá  incomodar,  mas contudo gostaria de trocar ideias consigo, onde gostaria que este email fosse reencaminhado para responsável por este assunto,  desde de já agradecer a sua compreensão.
Precisava de feedback do mercado para assim ter ideia  possível projeto proder na zona de viana do castelo qual seria a produção com mais viabilidade para esta zona..??
A produção  kiwis,  seria uma boa opção, tem algum estudo de mercado desta cultura?
Se  me permite a pergunta qual a  variedade que teria mais interesse.?
Qual seria a área mínima para ser rentável, e qual o investimento por hectare? e qual seria a produção por hectare em termos de kg e  preço medio do kiwi por kg?
Por ultimo, desculpe se pergunto de mais e estou a maçar com  este assunto, mas se possível  podia indicar possíveis canais de escoamento do produto se existe alguma empresa interessada na compra?

 Desde de já agradeço a compreensão e sua resposta..

 Atenciosamente".



Comentário:
1 - Ainda há pouco tempo fiz uma intervenção pública em Viana do Castelo num workshop  onde expliquei as atividades agrícolas com maior potencialidade para este distrito: vinho verde, kiwis, castanheiro, hortícolas, floricultura, bovinos de raças autóctones, porcos bísaros, cabrito, pequenos frutos, etc.

2 -   Para saber mais sobre os kiwis recomendo que esteja atento ao facebook da APK - Associação Portuguesa de Kiwicultores, onde deverá ser anunciado nos próximos dias o III Congresso Nacional do Kiwi, no qual recomendo que se inscreva para obter as respostas às suas questões.

Framboesa


> Boa noite Sr Engenheiro,

> Surgiu me recentemente, há cerca de 3 meses, a hipótese de avançar com um projeto para a produção de framboesa em 3 ha, em .... Tenho lido e pesquisado tudo o que me é possível e reparo que já há alguns anos o senhor vai partilhando a sua experiência e conhecimento com os demais leitores. É certo que o que inicialmente me entusiasmou neste projeto foi a parte financeira, mas com a visita a algumas produções, algumas delas sem ser de framboesa, apaixonei me pela parte técnica dos vários tipos de produção e estou decididamente disposto a avançar, mas agora estou confuso com a parte numérica e gostaria de lhe pedir auxílio nesse aspecto, por favor, através de algumas questões :

> Estou certo que os valores que me indicará serão médios e que dependerão com certeza do empenho e capacidade de cada produtor.

> 1- para a plantação da framboesa sabe me dizer por favor o custo médio por ha ( estufas, postes, tela, matéria orgânica, plantas ) ?

> 2- Em média, qual será o tempo necessário para a primeira colheita? Admitindo que terminamos a plantação em Abril, quando poderemos colher? Depois dessa colheita, faz se a poda e quando haverá nova colheita?

> 3- Qual será a média de colheita em toneladas por cada ha ? Quantos dias e quantas pessoas precisamos para efetuar essa colheita?

> 4- Sabe me dizer, por favor, o custo das " cuvettes" para embalar o produto?

> 5- A que preço é pago ao produtor o kg da framboesa, embalado em " cuvettes" ?

> Imagino que terá com certeza inúmeras solicitações do género e que será difícil e até maçador responder a todas mas ficaria lhe imensamente grato por tal informação. Permita me que se achar necessário pagamento desta informação terei todo o gosto em faze lo, pois reconheço lhe toda a legitimidade e valerá cada cêntimo nesta fase a sua prestigiada ajuda.

> Obrigado

> Cumprimentos".
 
Comentários:
1 - Recomendo que se não se apaixone pelas partes técnicas das atividades agrícolas porque corre o risco de não ganhar dinheiro na agricultura.
 
2 - Qual é a sua confusão com a parte numérica?
 
3 - Recomendo que marque uma consulta com a Eng. Sónia Moreira da Espaço Visual (917 075 852) que ela pode-lhe explicar os pormenores do negócio na produção de framboesa.
 
4 - Como resultado líquido na produção de framboesas conheço quem perca muito dinheiro (resultados muito negativos) até quem não ganhe nem perca, quem ganhe pouco até aos 40 000 euros por hectare e ano.

Formação profissional agrícola


Boa tarde Sr. Engº José Martino.
Antes demais gostaria de parabenizá-lo pelo seu excelente trabalho (que acompanho) e por todo o apoio que presta.

Sou proprietária de uns hectares de terra em ... propriedade essa deixada pelos meus avós.

A terra é extremamente fértil e tem instalada uma vinha (vinho verde) - com mais de 20 anos. Submeti uma candidatura junto do PRODER pois tenciono torna-la mais produtiva e quiçá inovar (produzir Rosé - não muito comum na zona), mas cujos testes já efectuei (para cerca de 200 garrafas) e funcionou.

O que me leva a escrever lhe é o facto de não encontrar uma formação adequada às minhas necessidades. Sou licenciada em Contabilidade de Administração, e já procurei em vários locais formação na área da Viticultura e Enologia, e as oportunidades que me aparecem, exigem formação superior na área de ciências (o que não se enquadra de todo com a minha área de formação). 

Quero e preciso de uma formação mais técnica nesta área, tendo em consideração os meus objectivos, motivo pelo qual lhe escrevo. Existe na zona do grande Porto, alguma instituição que leccione a formação (certificada) que necessito, e cujos contactos me possa facultar?

Aguardo ansiosamente os seus comentários,
Agradeço desde já a atenção dispensada,
Com os mel,hores cumprimentos

Comentários:
1 - Recomendo que faça um estágio numa exploração vitícola de referência.

2 - O Eng. Pedro Silva Coordenador do Departamento de Formação Profissional da  Espaço Visual pode eventualmente indicar-lhe o tipo de cursos que necessita (917 650 343)

segunda-feira, 23 de março de 2015

Porcos bísaros


"Boa noite.
Sigo com atenção e seu blog, por esse motivo e achar que a sua opinião é importante envio-lhe este mail com 2 ou 3 questões que agradecia que me respondesse se lhe for possível.

Tenho 3 hectares de terreno e estamos a pensar utilizar este terreno para criação de porco bísaro, para posterior venda de leitões. Será uma boa opção optar por este projeto? Estamos em Bragança que é provavelmente a zona de maior criação de bísaros no país e isso deixa-nos um pouco indecisos! Depois, a outrs dúvida está a nível dos apoios. Se fizermos um investimento de 60mil euros que percentagem de apoios poderíamos vir a ter?

Obrigado pela atenção e pela informação prestada no seu blog."
 
 
Comentários:
1 - Considero a produção de leitões bísaros uma excelente opção de investimento na pecuária.
 
2 - Por estar em Bragança deve-se sentir mais confiante por localizar-se numa região que tem prestigio e a origem dar mais valia aos seus produtos.
 
3 - Investimento elegível de 60 000 euros, obterá os seguintes apoios ao investimento:
- prémio: 15 000 euros;
- incentivo não reembolsável: 55% ou 60% (neste caso sócio de organização de produtores).
 
4 - Investimentos não elegíveis: Animais, IVA, Custos anuais (exemplo: renda, etc.)

 

O que devo fazer para comprar kiwis nesta altura do ano?


"Boa tarde Engº José Martino

Desde já quero felicita-lo pelo seu blog, que já venho acompanhando desde há algum tempo para cá.

O meu nome é ... e trabalho numa cooperativa agricoola que comercializa frutos e hortícolas, na região ....

Este ano surgiu uma parceria com uma empresa, e para tal precisamos de ter uma quantidade elevada de kiwi, no entanto os produtores que temos não satisfazem essa quantidade de kiwi pretendida, e por isso, necessitamos de mais produtores que nos possam vender a sua produção.

A minha questão é a seguinte, e visto que você trabalha e conhece bastantes produtores de kiwi, pode-me fornecer o contacto de alguns produtores que possam estar interessados em vender a sua produção? Ou então tem algum conselho de modo a que conseguiga contactar alguns produtores (alguma organizaçao por exemplo)?

Agradecia a resposta a este meu email

Desde já Obrigado

Cumprimentos"
 
 
Comentários:
1 -  Não é usual, por isso prezo como muito positivo, que um colaborador de uma cooperativa agrícola se interesse fora do horário de trabalho por resolver problemas da sua Entidade patronal.
 
2 - Nesta altura do ano se quer comprar kiwis deverá contatar os entrepostos que os trabalham: Bfruit, Cooperativa de Felgueiras, Frutas Douro ao Minho, Kiwi Greensun, Kiwicoop e Prosa.
 
 

Há interesse em recorrer aos apoios públicos para pequenos investimentos?

Ola!
Gostaria antes de mais felicitar-lo pelo excelente trabalho que faz com o blog,  e também agradecer-lhe. O mesmo ja me permitiu retirar muitas conclusoes acerca do investimento na industria agrícola.
 
Gostaria de lhe colocar uma questao, mas antes passo a explicar-lhe o projecto que tenho em maos (desde ja desculpe pela falta de acentos, utilizo um teclado italiano).

Ando ja ha dois anos com a ideia de investir na actividade agricola mas atè ao inicio deste ano que essa oportunidade nao me tinha surgido. Nao sabia bem, em que moldes, pois e uma area na qual nao tenho qualquer experiencia, apenas a ligaçao de os meus avos terem sido agricultores, e um enorme gosto pela area de produçao (seja esta alimenticia ou nao).

Entretando em meados do ano passado emigrei para Italia, e o que suspostamente deveria ter afastado este projecto acabou por aproximar ainda mais a ideia de concretizaçao.

Acabei por dicidir como area a investir na apicultura apos muita pesquisa. Primeiro porque è uma area que me agrada bastante, depois porque percebi o seu potencial, quer para o mercado interno quer para o externo. Estando eu a trabalhar e nao podendo deixar tudo para me dedicar a apicultura começando do zero, optei por procurar quem ja tinha o conhecimento da gestao apícola mas nao tinha o capital para aumentar a sua exploraçao.  Encontrei assim, uma pessoa que hoje considero pra alem de colega, amigo. Esta pessoa ja tem experiencia como apicultor desde ha seis anos, tendo agora uma pequena exploraçao com 85 colmeias em produçao e bastante saudaveis. Investi entao  na compra de 50 colmeias em fevereiro, para juntar as 85 ja em produçao. destas 50, 20 ja estao a crescer e acredito que teremos as 50 operacionais a produzir ainda esta época. 

O nosso objetivo é reinvestir os proveitos durante os próximos 2/3 anos de forma a aumentar o máximo possivel o efetivo. Existe também a hipótese de tornar a fazer novos investimentos  (com capitais próprios meus) no final deste ano ou inicio do próximo.

De inicio sempre afastamos a hipótese de recorrer a financiamento bancário ou fundos comunitários. Queríamos que o projeto crescesse a medida que tivesse fundos para crescer.

Contudo deparei-me com os novos apoios PDR2020 e gostaria de saber a sua opinião acerca do ponto 3.2.2 - PEQUENOS INVESTIMENTOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS.

Estava a pensar na opção de fazer um investimento de por exemplo 3000 € no inicio do ano que vem, e candidatar-me. assim, poderia propor um investimento de cerca de 6000 euros, obtendo parte do financiamento a fundo perdido. Isto permitiria que o aumento de colmeias para o ano que vem fosse quase o dobro, isto é, em vez de 40 se calhar 80. 

Os apiários estão em Trás os Montes, .... Neste momento existem condições para crescer ate as 300 colmeias. Depois disso temos de procurar novos terrenos nas proximidades. 

Acha que vale a pena o trabalho da candidatura? Bem sei que o ideal é os investimentos serem maiores, para dar o máximo de escala ao projeto, mas no meu caso nem o meu parceiro vivemos da apicultura neste momento, e não precisamos de obter rendimento da mesma nos próximos 2 ou 3 anos, então temos tempo para que o projeto vá crescendo com tempo. E sinceramente prefiro que cresça devagar mas sustentadamente.

Ficaria muito agradecido de poder ouvir a sua opinião.

Caso necessite de mais alguma informação não hesite em contactar-me."
 
 
Comentários:
1 - Tenho dificuldade em perceber como podem ter sucesso e sustentabilidade económica os projetos  que começam numa escala demasiado micro e que permanecem nessa escala ao longo de vários anos. Apesar disso, valorizo muito as pessoas que são capazes de desenvolver estas estratégias que não estão de acordo com as minhas ideias. Sou defensor dos investimentos em que os empreendedores são competentes para a atividade e por isso, apostam nas infraestruturas e equipamentos para a desenvolver  de forma tecnologicamente atual e bem organizada, e para isso, apostam numa dimensão mínima que a médio prazo rentabiliza os investimentos.
 
2 - Creio que deveriam estudar os apoios para se instalar como jovem agricultor, fazendo no momento em que tivesse possibilidade de ter capitais próprios para investir 55 000 euros  em apicultura, exceto enxames (estes poderiam ser obtidos por desdobramentos das colmeias atuais), podendo obter  15000 euros de prémio + 55% a 60% de ajudas ao investimento (valor máximo se for sócio de uma organização de produtores). Poderia obter 45250 euros de apoio para um investimento elegível de 55 000 euros, precisaria de 9750 euros de capital próprio + IVA + outros montantes necessários para montar a operação (creio que o ideal seriam ter mais 10 000 euros, mesmo que obtidos por empréstimo bancário).
 
3 - Os pequenos investimentos na exploração agrícola podem ser utlizados para investimentos elegíveis superiores a 5 000 euros. Deveria fazer um esforço para fazer um investimento total de 10000 euros.
 
4 - Os busimess angels da Rurisocieta ou outra empresa, podem ser uma opção para quem é jovem empreendedor com elevado potencial para o negócio, não possui os capitais suficientes para desenvolver o negócio, aceita um sócio que aporta capital, acesso ao crédito, conhecimento da organização empresarial, etc. 
 
 

Sobreiros

"Boa noite Eng. José Martino

E felicitá-lo pelo blog que administra. Verdadeiro serviço público.

O meu pai, natural de um lugar situado no Ribatejo, tem, para além de uma propriedade com eucaliptos, um outro terreno próximo daquele (já fora da área de eucaliptal, digamos assim) que não terá mais de 2 000 m2. O terreno em questão, situado em área plana, onde outrora se cultivavam culturas de regadio, tem boa exposição solar, está servido de um poço e ligação rodoviária em asfalto. Desconheço é certo, e para já, as propriedades do solo. Além disso, tem ainda 3 ou 4 propriedades com oliveiras.

Sou filho único e trabalho em Lisboa, a tempo inteiro, pelo que a disponibilidade não será muita. Cinge-se ao azeite quase só para consumo interno (pouco mais dá); e ao pomar e à horta perto de casa (assente numa simples rega computorizada). Nesse sentido, dificilmente me poderei considerar um agricultor. Espero que, esta circunstância não o demova de me responder, se puder, claro - pois que, percebo que as prioridades do blog a que se dedica se devam centrar naqueles que pretendem iniciar uma atividade produtiva com um projeto cuja dedicação deverá ser máxima. Ainda assim...

Ora, atentos os constrangimentos, pensei plantar sobreiros no aludido terreno. Sabendo, naturalmente, que, possivelmente, já não assistirei ao retorno do investimento em causa. Embora a finalidade também não é essa. A ideia é deixar algo (pé de meia) para os descendentes.

Gostaria, pois, de saber, pela sua experiência, se com um terreno com aquela área; localização e para os fins descritos, é rentável ou valerá a pena investir na cortiça (Não desconheço as restrições relativas ao corte dos mesmos mas também a ideia não passa pela venda da madeira).

Em caso afirmativo, como poderei obter contactos de empresas que se dediquem à plantação dos mesmos e ao descortiçamento naquela zona? (Espinheiro, Pernes, Tremês, Alcanede, Santarém...)

Existirão workshops dedicados ao cultivo do sobreiro (poda; cuidados com o terreno) onde me poderei inscrever para sedimentar ou desenvolver conhecimentos? Em caso afirmativo, poderá ser-me cedida informação sobre eventuais entidades que a isso se dediquem?.


Com os melhores cumprimentos".


Comentários:
1 - Para a região e superfície descrita das propriedades, a opção pelo sobreiro, parece-me uma excelente escolha.

2 - Pesquise a existência na região de  alguma associação florestal e peça-lhe assessoria técnica.

3 - Caso não consiga encontrar na região quem o apoie,  contate Arq. Benjamim Machado da Espaço Visual (924 433 183) para lhe apresentar um orçamento para uma visita de um técnico florestal aos seus terrenos.


O que devo decidir?


"Boa tarde,
 
Sou um jovem de 20 anos, acabei de adquirir uma quinta de 40ha no ..., vou por um amendoal, e pistachio,  mas o meu engenheiro disse que tenho de por algum gado para tirar ja rentabilidade , gostava de saber a sua opiniao , e que gado devo escolher, e tambem ja estou a criar uma empresa de compra de produtos alimentares . 
 
Obrigado por tudo.
 
Desculpe o incomodo.
 
Agradeço uma resposta porque tenho alguma urgencia, e estou com algum medo de investir no gado"
 
Comentários:
1 - Na minha opinião deve investir nas culturas em que acredita (amendoeira e pistacho) e assim sendo, deve colocar no orçamento os custos de exploração durante o número de anos necessário até equilibrar a tesouraria, financiando-o pelos capitais próprios ou alheios.
 
2 - O conselho do seu engenheiro só deve ser implementado se tiver vocação para a exploração pecuária, o que me parece, pelo seu escrito, não ser o seu caso.
 
3 - Recomendo que comece com duas atividades e só deve ultrapassar este limiar se a médio prazo (4-6 anos) tiver sucesso financeiro decorrente de ter dominado os respetivos pormenores operacionais, pois sou defensor do ditado popular "quem alarga pouco aperta".
 
4 - Fico muito satisfeito em saber que está a acautelar o canal de comercialização das suas produções.
 
5 - Se tiver dificuldades financeiras para implementar o seu projeto com atividades que só equilibram a tesouraria a médio prazo pode recorrer aos business angels  como é o caso da Rurisocieta (www.ruriscoieta.pt) . Este tipo de figuras entram como sócios, participam no capital social da empresa, facilitam o acesso ao crédito bancário, têm experiência na gestão, fazem coaching na gestão, na área comercial, na área técnica, etc. 
 
 

Rurisocieta

A VIDA RURAL publicou no seu website a seguinte notícia sobre a Rurisocieta

"No próximo dia 7 de abril, a Rurisocieta estará em Lisboa a apresentar o “Business Angels”.
A Rurisocieta, empresa que se dedica à prestação de serviços especializados na promoção de fileiras, do desenvolvimento local e do empreendedorismo, irá organizar várias sessões de divulgação onde, para além da apresentação da empresa e do testemunho de dois jovens agricultores de sucesso, serão apresentadas propostas de negócio “Business Angels”, um projeto que pretende estimular o empreendedorismo jovem, participando no capital social das empresas ligadas à produção e comercialização agrícola, lideradas por jovens agricultores.
O “Business Angels” tem como objetivo dar resposta às necessidades do mercado no que diz respeito ao apoio à criação e dinamização de estratégias de eficiência coletiva, redes locais de cooperação, a promoção e valorização de produtos e de marcas territoriais, o apoio à dinamização de ações coletivas de suporte ao empreendedorismo e à atividade empresarial e internacionalização."

domingo, 22 de março de 2015

Anónimos: não obrigado!

Há um vasto conjunto de leitores que não lê com a devida atenção o estatuto editorial deste blogue e enviam e-mails ou comentários sem a devida identificação, endereço e-mail e n.º telemóvel.

Só comunico com quem quer  assumir as suas opiniões de forma frontal, identificada e como massa crítica.
 
Peço, por favor, que cumpram as condições indicadas.

O meu muito obrigado!

 

O Montijo é adequado para a cultura dos pequenos frutos?

"Boa noite Sr. Engº José Martino.
Ajudar os outros sem qualquer interesse em vista é cada vez mais raro nos dias de hoje, pelo que agradeço desde já a sua disponibilidade para dar resposta às questões que irei colocar. Passando então ao assunto, gostaria de perguntar se a região Sul, mais propriamente o concelho do Montijo na zona de Pegões é adequada para a cultura dos pequenos frutos, nomeadamente o mirtilo. Existe financiamento comunitário ou outro para projetos que não apenas para jovens agricultores? Quais os montantes de financiamento e em que condições?".

Comentários:
1 - Os meus interesses são contribuir  para o desenvolvimento da economia de Portugal, das suas agriculturas de mercado, com criação de valor acrescentado, com melhoria de competências dos seus players ao nível do empreendedorismo, gestão, técnica, profissional, etc. Não aceito, recuso-me a aceitar que Portugal, o meu país, não tenha uma economia desenvolvida quando tem recursos para o fazer, começando na capacitação escolar dos seus cidadãos, infraestruturas básicas, dinheiro, taxas de juro baixas, etc. e terminando nos modelos de desenvolvimento económico mais atuais que assentam a sua base conceptual no incorpóreo, na qual os portugueses são muito bons, na produção de ideias e estratégias criativas. "Portugal é semelhante a uma família que tem recursos financeiros, mas não tem "cabeça" para os gerir"

2 - É preciso melhorar a troca de informação e conhecimento entre os portugueses, deveria ser feita a publicitação eficaz de todos os estudos que são realizados em Portugal, existem muitos trabalhos técnicos, científicos, estratégicos, bases de dados, etc. que se tivessem fácil acesso do público serviriam como matriz para novas ideias, novas estratégias, novos negócios, etc. Realço como exemplo desta proposta, o trabalho e resultados obtidos pela PORDATA.

3 - Desenvolvo  este blogue e emprego algum do meu tempo pessoal neste projeto porque procuro praticar as ideias que defendo, que elenquei em 1. e 2.

4 - A região indicada do ponto de vista macro parece-me com boas condições para a cultura dos pequenos frutos, sobretudo framboesa, amora e mirtilo. Creio que na maioria do seu território terá potencial para produções precoces.

5 - Pode obter entre 45% a 50% de incentivos não reembolsáveis (subsídios) para investimentos elegíveis superiores a 25 000 euros (exemplo: o IVA não é apoiado/elegível). Condições de acesso: abrir atividade nas finanças, não ter dividas às finanças e segurança social, ter um titulo válido para exploração da terra (contrato de cedência gratuita ou contrato de arrendamento ou certidão de teor que comprove que é o proprietário), apresentar o projeto/candidatura.

6- Caso necessite obter informação concreta para o seu caso pessoal, marque uma consulta com o Arq. Benjamim Machado da Espaço Visual (924 433 183).

7 - Neste blogue o anuncio que a Bfruit, empresa de produtores de pequenos frutos, irá realizar um evento para potenciais interessados na produção, pelo que recomendo que se inscreva, participe e esclareça as suas dúvidas quanto a produção e comercialização.