O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


segunda-feira, 31 de março de 2014

O capital de risco 2.0 e as “start ups”


Por: José Martino (engenheiro agrónomo)
josemartino.blogspot.pt

Não me canso de insistir na mesma tecla: a agricultura é uma atividade/negócio que requer muita dedicação e determinação. É por isso que defendo um elevado grau de rigor na atribuição das ajudas públicas ao investimento para a instalação dos jovens agricultores.
Os recursos não são infinitos. Não se pode dar tudo a todos. Os critérios de atribuição das ajudas públicas têm de obedecer a uma análise completa e exaustiva do perfil do jovem agricultor. Não apenas o seu perfil psicológico, que impõe uma avaliação sobre a sua verdadeira vocação, o seu verdadeiro empenhamento para “levar a carta a Garcia”, a sua capacidade de correr riscos, a sua motivação interior. Não quero que os responsáveis do PDR 2014-2020 virem psicólogos. Nada disso.
O que me custa a compreender é que se aceitem, se mais, todos e quais projetos, que, muitos deles, acabam por “morrer” ao virar da esquina. Se formos mais rigorosos, mais seletivos, mais pedagógicos, não só evitamos perder tempo e dinheiro, como não permitiremos que as legítimas ilusões deem lugar a devastadoras desilusões.
Tendo o jovem perfil e competências, devem os responsáveis do ministério da agricultura ter em atenção para que sejam proporcionados os capitais necessários ao investimento e exploração das empresas “start ups”. Recomendo, por isso, que os capitais de risco públicos lancem operações low cost para cada uma das atividades: mirtilo, kiwi, plantas aromáticas e medicinais ou outras; que haja um gestor que acompanhe a tempo inteiro 30/40/50 empresas, criando especialização na gestão e sendo, no fundo, uma espécie de tutor a tempo inteiro, representante da capital de risco, e dará assistência especializada à gestão, à organização, aos pormenores técnicos e organizativos que vai observando nas diferentes empresas.
Um dos ângulos que se deve privilegiar na análise de um projeto é garantir que tendo este condições para ser contratado não irá falhar pela sua componente financeira. Assim, defendo a obrigatoriedade de uma participação minoritária de uma capital de risco (20% - 49% de capital). Deste modo, os custos do gestor seriam mais baixos que nas operações usuais, porque repartidos por um grande número de empresas. Este é um dos pontos chave para o sucesso do negócio e do empresário.

artigo de opinião publicado no semanário "Vida Económica", em 28 de março de 2014

sexta-feira, 28 de março de 2014

Começam hoje as sessões ProDer vs PDR 2014/2020

Começam hoje em Faro, pelas 18.30 horas, e continuam amanhã em Setúbal (9.00h) e em Lisboa (14.30h), as sessões de esclarecimento sobre as diferenças entre o ProDer e o novo PDR 2014/2020, organizadas pela empresa de consultoria agrícola "Espaço Visual" (www.espaco-visual.pt). É muito gratificante verificar que o número de adesões e de inscrições recebidas para participar nestas sessões ultrapassaram as expectativas. Compareça e participe!

quarta-feira, 26 de março de 2014

Fazemos bem


A "Espaço Visual" é uma empresa de consultoria agrícola que se orgulha de trabalhar a agricultura com paixão e que se motiva num decisivo lema: "Fazer Bem". Veja neste link porquê



Conhecimento/Informação é base do sucesso


A edição em papel do Jornal de Notícias de hoje publica uma reportagem sobre a empresa de consultoria agrícola "Espaço Visual" (www.espaco-visual.pt), de que sou CEO. Nesta reportagem, lanço algumas ideias sobre a estratégia a desenvolver para se ter sucesso na agricultura. Sem falsas modéstias, aconselho os jovens agricultores e os futuros/potenciais jovens agricultores a lerem.






segunda-feira, 24 de março de 2014

Tem interesse instalar-me como jovem agricultor na apicultura?

Nuno Cascais disse:

"Boa tarde, Tenho também neste momento, em part-time um apiário de 12 colmeias! este ano vou ter a minha 1ª produção. Como é algo que adoro e tenho terrenos para isso, gostaria de saber até que ponto é uma atividade para constituir-me como jovem agricultor e dedicar-me a 100% a apicultura. o problema que que tenho sido desencorajado desde a família e em fóruns de apicultura... Obrigado"

Comentário:
1 - Na minha opinião deve instalar-se como jovem agricultor com 300 a 500 colmeias.

2- Deve passar a trabalhar a tempo inteiro na apicultura quando conseguir obter os objetivos de produção e custos com as 300 a 500 colmeias e nessa altura deverá caminhar para as 2000 colmeias.

3 - Como acredito na atividade estou disponível para ser sócio de jovens agricultores com experiência na apicultura que queiram dedicar-se esse negócio (josemartino.ev@gmail.com).

Alqueva e Chile


Por: José Martino (engenheiro agrónomo)

Um país pequeno e com um desenho territorial invulgar é o 2º produtor mundial de salmão. O leitor sabe qual é? Mais uma pista: fica situado na América Latina. Ainda não chegou lá? È um dos mais prósperos países da região, devido a um plano de desenvolvimento económico baseado numa situação política estável.
Trata-se de um país com uma população jovem e onde a actividade agrícola, nomeadamente nos pequenos frutos, tem sido exemplar, do ponto de vista exportativo. O Chile, é dele que estou a falar, tem apostado no investimento no incorpóreo, no imaterial, como forma de desenvolver a sua economia.
Tem sido uma estratégia de sucesso. Os chilenos sabem explicar bem porque têm apenas uma reduzida rede de auto-estradas. O volume do investimento público vai para a criação de entidades que lançam estratégias de “benchmarking”.
Esta estratégia passa pela elaboração de planos de negócio que detectam as melhores práticas e soluções para se chegar a um melhor resultado e a um melhor desempenho económico. Foi assim que chegaram ao salmão. É assim que estão a desenvolver a fileira dos pequenos frutos.
Este é um exemplo que podemos adaptar ao caso português. Estive recentemente no Chile e enquanto verificava com espanto o desenvolvimento económico e a qualidade de vida dos chilenos, lembrei-me que temos em Portugal um “oásis” que pode criar mais de 100 mil postos de trabalho, rentabilizar o aeroporto de Beja e o porto de Sines.
Chama-se Alqueva, cuja obra orçou em mais de 2.500 milhões de euros. Cinco por cento desta verba dava para transformar 120 mil hectares de sequeiro em regadio, elaborar planos de negócio para a agroindústria que permitissem o desenvolvimento efectivo daquela região.
É por isso que espero que o PDR 2014/2020 possa canalizar uma pequena fatia de 3%, qualquer coisa como 3,7 milhões de euros para promover o investimento no incorpóreo e, assim, qualificar a vida das pessoas e das empresas.

artigo publicado no semanário "Vida Económica", em 21 de março de 2014

domingo, 23 de março de 2014

Tenho experiência como apicultor - o que devo fazer para me candidatar às ajudas de jovem agricultor?

Aurélio Morais disse:

Sou apicultor já há bastante tempo tenho 50 colmeias gostava de ter 1 projeto para 200 colmeias tenho 34 anos como devo fazer?

Comentários:
1 - Se nunca recebeu ajudas pode candidatar-se às ajudas de apoio à 1.ª instalação como jovem agricultor (os níveis de apoio estão descritos no post anterior) porque tem idade entre os 18 e 40 anos.

2 - Deverá definir os diversos itens de investimento que necessita realizar com as 200 colmeias.Fazer um plano de negócio mesmo sumário para verificar se tem condições ara obter os capitais indispensáveis para o investimento.

3 - Recomendo que marque uma reunião com a Eng. Sónia Moreira da Espaço Visual (917 075 852) para abordarem todos os pormenores do processo.

4 - Os Jovens Agricultores que tenham experiência na atividade agrícola que irão abraçar, como é o seu caso, têm maiores probabilidades de sucesso nos seus projetos empresariais.  

O que é um jovem agricultor?

Fábio Ferreira disse:

ola boa tarde gostaria de saber como posso me candidatar a jovem agricultor e o que faz falta para ser um jovem agricultor?

Comentários:
1 - Definição de jovem agricultor em 1.ª instalação: jovem agricultor (em nome individual ou em sociedade em que o jovem tenha pelo menos 51% e seja gerente) e que à data de apresentação da candidatura, tenha mais de 18 e menos de 40 anos, e se instale pela primeira vez numa exploração agrícola.

2 -Neste momento e até à aprovação fornal do Plano de Desenvolvimento Rural 2014-2020 (PDR), pode obter as ajudas através da apresentação candidatura/projeto à ação 1.1.3 do ProDeR.

3 - Com o ProDeR para 75 000 euros de investimento elegível obtém 100% ou 90% de apoio conforme as parcelas objeto de investimento estejam localizadas em regiões desfavorecidas ou favorecidas respetivamente (existe uma Portaria  que classifica cada concelho e freguesia ( podem obter o seu número por pesquisa neste blogue)).

4 - Para saber mais e ter consultoria especializada deve contactar a Eng. Sónia Moreira da Espaço Visual (917 075 852)

quinta-feira, 20 de março de 2014

ProDer vs PDR 2014/2020


Os interessados que queiram participar nas sessões de esclarecimento sobre o ProDer e o novo PDR 2014/2020, que vão ocorrer nos dias 28 (Faro) e 29 (Setúbal e Lisboa), deste mês, devem inscrever-se através dos links de inscrição que estão disponíveis no final do programa que se divulga através do link que aqui se publica da notícia colocada no site da "Espaço Visual" (www.espaco-visual.pt), e que remetem para os formulários das respectivas sessões de esclarecimento. A inscrição é gratuita. Obrigado!

http://www.espaco-visual.pt/novidades/202/proder-vs-pdr-2014-2020/

terça-feira, 18 de março de 2014

Sessões de Esclarecimento: ProDer vs PDR 2014/2020


A Espaço Visual, empresa de consultadoria agrícola, (www.espaco-visual.pt), vai organizar sessões de esclarecimento sobre as diferenças nas ajudas ao investimento dos agricultores entre o ProDer e o PDR (Programa de Desenvolvimento Rural) 2014/2020. 
A informação a prestar será de enorme utilidade para os agricultores que estão a pensar avançar com projectos de investimento. Compareça!
Na ocasião, será também realizada uma apresentação da Bfruit, organização de produtores de pequenos frutos para apoio à comercialização, à gestão e à assistência técnica.
As primeiras sessões serão organizadas conforme o calendário e o programa que se segue:

PROGRAMA

ProDer vs. PDR 2014/2020

Dia 28 de março,
Hotel Eva – Avenida da República, 1, Sé (Faro);
18.30h – Ajudas ao Investimento: diferenças entre o ProDer
e o PDR 2014/2020
Engº José Martino – CEO da Espaço Visual
19.30h – Mirtilo: experiência de uma visita de estudo aos Estados Unidos
Engº José Martino – CEO da Espaço Visual
20.15h – Apresentação da Bfruit – Organização de Produtores de Pequenos Frutos
Engª Fernanda Machado – Presidente CA da Bfruit

Dia 29 de março,
Hotel Luna Esperança – Avenida Luísa Todi, 220 (Setúbal);
9.00h - Ajudas ao Investimento: diferenças entre o ProDer 
e o PDR 2014/2020
Engº José Martino – CEO da Espaço Visual
10.00h - Mirtilo: experiência de uma visita de estudo aos Estados Unidos
Engº José Martino – CEO da Espaço Visual
10.45h - Apresentação da Bfruit – Organização de Produtores de Pequenos Frutos
Engª Fernanda Machado – Presidente CA da Bfruit

Dia 29 de março,
Hotel Holiday Inn Express Lisbon Av. da Liberdade – Rua Alexandre Herculano, 40 (Lisboa);
14.30h - Ajudas ao Investimento: diferenças entre o ProDer 
e o PDR 2014/2020
Engº José Martino – CEO da Espaço Visual
15.30h - Mirtilo: experiência de uma visita de estudo aos Estados Unidos
Engº José Martino – CEO da Espaço Visual
16.15h - Apresentação da Bfruit – Organização de Produtores de Pequenos Frutos
Engª Fernanda Machado – Presidente CA da Bfruit

quinta-feira, 13 de março de 2014

Projeto para produção de kiwis e mirtilos

José Serra disse...

1 - Obrigado por ajudar a divulgar a minha ideia do projeto. 2 - Não sendo uma área que me encontre a vontade, quando falei de micro-escala era criar e projetar a ideia para uma rede de produção de kiwis ou mirtilos de forma a conseguir uma boa quantidade de produto, com o objetivo de exportar e representar os pequenos produtores com a criação de uma marca única. 3 - Sim, também, e não só. 4- Obrigado pela disponibilidade, caso seja necessário alguma informação entrarei em contacto com Engº José Martino. 

Comentário

Obrigado pelas suas palavras. Disponha.


terça-feira, 11 de março de 2014

Plantas aromáticas e medicinais

Elísio Camblé disse

Sou de São Tomé e Príncipe, São Tomé: Em certa medida a resposta vai de encontro às minhas preocupações. Tenciono aproveitar as potencialidades do meu querido país com as biodiversidades endémicas. em Plantas Aromáticas e Medicinais (PAM)

segunda-feira, 10 de março de 2014

Instalação de Jovens Agricultores:escolho as ajudas do ProDeR ou PDR?

Alexandre disse:
"O proder vai continuar de 2014 a 2020? ou so vai continuar ate receberem verbas para financiar os projectos em lista de espera e depois so fica o PDR? agradeço a sua atenção obrigado.

Comentários:
1 - O ProDeR terminou a sua vigência a 31 de dezembro de 2013. Em 2014 poderão ser aprovados pelo ProDeR projetos desde que as candidaturas tenham sido realizadas no período temporal da sua vigência e exista orçamento disponível para o efeito. 

2 - Na realidade a Autoridade de Gestão do ProDeR e a sua Gestora, assumiram publicamente que aprovariam todas as candidaturas que tivessem condições para tal e tivessem sido submetidas até 19 fevereiro de 2013. As candidaturas submetidas a partir dessa data serão aprovadas em função da existência de orçamento disponível, resultante das desistências e de verbas contratualizadas e não utilizadas na sua totalidade.

3 - Como o número de submissão de projetos foi muito elevado ao longo do ano de 2013, o orçamento do ProDeR não chega para todas serem aprovadas, o governo de Portugal negociou com a Comissão Europeia que pudessem ser aprovadas pelas regras do ProDeR, com um orçamento do Novo Quadro, candidaturas submetidas em 2013 e 2014, até que o "Plano de Desenvolvimento Rural 2014-2020" vulgo "PDR", seja formalmente aprovado por Bruxelas.

4 - Formalmente, o ProDeR anunciou em comunicado que pertencem ao PDR as candidaturas submetidas a partir das 9 h do dia 18 fevereiro de 2014, sendo nessa altura atualizados os formulários.

5 -  Há continuidade no sistema de ajudas ao investimento, sendo de acordo com o anúncio público das intenções das medidas do PDR, para o caso de instalação de jovens agricultores:
a) Mais favoráveis, para projetos até 150 000 euros, as ajudas do ProDeR face às do PDR. Recomendo que façam a sua submissão no mais curto espaço de tempo para serem aprovados pelas regras do ProDeR.
b) No caso de projetos de grande dimensão acima dos 417 000 euros ou 500 000 euros, conforme os investimentos se localizem em zonas desfavorecidas ou favorecidas, respetivamente, sugiro que os jovens agricultores esperem pela aprovação do PDR e sua implementação, pois serão apoiados montantes de investimento que não eram elegíveis no ProDeR.   

sexta-feira, 7 de março de 2014

BFRUIT no Jornal de Notícias

O "Jornal de Notícias", na sua edição de quarta-feira, publicava um extenso trabalho sobre agricultura, que era, aliás, o principal tema do jornal, sob o título "Agricultura exporta mais, com menos mão-de-obra". No contexto desse trabalho, era referida a minha posição sobre a capacidade exportadora dos pequenos frutos - kiwis, morangos, amoras, framboesas e groselhas - e feita uma referência à Bfruit, uma organização de produtores de pequenos frutos, criada para os ajudar na comercialização e na gestão das suas explorações. (ver foto)




Esclarecimento 1

Edson Luís disse

Agradeço o esclarecimento. Estou ansioso por saber a sua opinião sobre a helicicultura. Mais uma vez obrigado pelo excelente serviço público que presta. 

Comentário:

Muito obrigado pelas suas palavras.
Terá a minha opinião sobre helicultura em breve.

quarta-feira, 5 de março de 2014

Espaço Visual e Caixa de Crédito Agrícola organizam seminário

No próximo dia 10 de abril, no Forum da Maia, a empresa de consultadoria agrícola, Espaço Visual (www.espaco-visual.pt) e a Caixa de Crédito Agrícola da Área Metropolitana do Porto, organizam um seminário sobre os factores de sucesso na agricultura. Esta iniciativa, cujo programa se anexa, tem a intervenção de vários oradores, como o secretário-geral da Confagri, Francisco Silva, e o CEO da Espaço Visual, José Martino, e propõe-se discutir, entre outros, temas como as ajudas ao investimento (PDR 2014/2020), seguros agrícolas, linhas de crédito à agricultura, contabilidade e gestão agrícola. O moderador deste seminário será o presidente do Conselho de Administração da Caixa de Crédito Agrícola da Área Metropolitana do Porto, José Cunha da Silva.


terça-feira, 4 de março de 2014

Esclarecimento

São cada vez mais as mensagens que chegam à caixa de correio deste blog. São comentários, dúvidas, perguntas, sugestões, conselhos, que me são deixados pelas centenas e centenas de pessoas que visitam este blog. 
Por isso, tive de elaborar um estatuto editorial, esclarecendo que apenas respondia às mensagens cujos autores estivessem devidamente identificados. É com satisfação que reparo que a esmagadora maioria dos autores dos comentários aceitou esta premissa e apresenta-se identificada.
Este meu post serve para agradecer a todos (a esmagadora maioria) os que perceberam a necessidade de ter elaborado um estatuto editorial e, também, para garantir que responderei a todos os comentários cujos autores estejam identificados.
Nos próximos dias, pode ocorrer algum atraso nas respostas a esses comentários, a essas dúvidas, a essas perguntas, a esses pedidos de conselhos, mas não duvidem que essas respostas vão aparecer e destinadas a cada um de vós. Muito obrigado!