O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

APOIOS PÚBLICOS AOS INVESTIMENTOS NAS EXPLORAÇÕES AGRÍCOLAS (ATÉ 31 MARÇO DE 2017 – 19H)

TIPO DE APOIO
O investimento máximo elegível, por beneficiário, é de 5 milhões €.
O apoio é atribuído sobre a forma de:
  • Subsídio não reembolsável (vulgo “subsídio”)....                                                                                                                                                                                                                                                     continuar a ler em  http://www.espaco-visual.pt/apoios-p%C3%BAblicos-aos-investimentos-nas-explora%C3%A7%C3%B5es-agr%C3%ADcolas-at%C3%A9-31-mar%C3%A7o-de-2017-%E2%80%93-19h

NOTA: O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

FLORESTA

A floresta portuguesa do continente ocupa 3,15 milhões de hectares em 2010 segundo o inventário florestal (35,4% do território continental), com a seguinte distribuição:

Espécie
     Área(ha)
Pinheiro bravo
714400
Eucalipto
811900
Sobreiro
736800
Azinheira
331200
Carvalho
67100
Pinheiro manso
175700
Castanheiro
41400
Folhosas diversas
177800
Resinosas diversas
73200
Outras espécies
24500
Total
3154000




É recomendável que a floresta suba a superfície onde há maior probabilidade de elevada produtividade potencial das plantas lenhosas para abastecer os clusters industriais.
Há que ter em conta que 18,7% das florestas do continente está integrada na rede de áreas protegidas e 23% da área de floresta nacional está incluída na Rede Natura 2000.
Em Portugal predominam 4 tipos de florestas:
1- Montado
2- Floresta plantada com espécies autóctones para a produção de madeira, pinheiro bravo
3 – Silvicultura intensiva, talhadia em rotações curtas, exóticas, exemplo, eucalipto ou espécies nativas como o castanheiro em talhadia
4 – Floresta de regeneração natural que muitas se inicia com o abandono da agricultura, passando a povoamentos mistos de pinheiro bravo, pinheiro manso e folhosas autóctones. Dentro destes espaços integram-se as áreas protegidas.

A distribuição por classes de uso no território continental:

Uso do solo
1995 (ha)
2005 (ha)
2010 (ha)
Variação base ano 2010 %)
Floresta
3305000
3211000
3154000
-4,8
Matos e pastag.
2539000
2720000
2853000
11,0
Agricultura
2407000
2205000
2114000
-13,9


A superfície florestal pode crescer ocupando superfícies de matos, as quais tenham potencial para crescimentos lenhosos elevados, invertendo o ciclo que se tem feito sentir desde 1995 (perda de 10 000 hectares por ano de floresta).

NOTA: O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Limão

Os preços elevados do limão em 2016 devem-se há falta da produção de 300 000 toneladas em Espanha e Itália devido ao efeito da doença da Mancha Negra (ou Pinta Negra) face a 1 700 000 toneladas de consumo no mercado europeu. Por outro lado, o aumento dos preços no mercado foi acelerado porque houve o atraso de 1 mês na chegada do limão argentino.

Há plantações e produção em Portugal para abastecer o mercado nacional,... 

Continuar a ler em .... http://www.espaco-visual.pt/dicas 

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Maracujá

"Bom dia Srº Eng. José Martino.

Venho mais uma vez pedir informações e os seus conselhos na minha preparação de jovem agricultor. Tenho submetido um projeto no PDR2020 para uma exploração de Maracujás. Com o objetivo de me tornar um jovem agricultor bem sucedido tenho participado em workshops, ações de formação, etc. e o que tenho vindo a reparar é que sempre que tento visitar uma exploração produtora de maracujás os proprietários não querem divulgar/partilhar o seu conhecimento. E por pena minha esta mentalidade fechada e retrograda  ainda existe no sector agrícola nacional. Interrogo assim se tem conhecimento de uma exploração na Zona Centro onde os proprietários estão disponíveis, dentro do seu tempo disponível claro, e tenham vontade em receber visitas e partilhar conhecimento com os jovens agricultores que tentam fazer vida na área.



Cumprimentos"

Comentários:
1 - Será que já fez o número elevado de tentativas para visitas que lhe teriam permitido encontrar alguns produtores de maracujá suficientemente evoluidos para partilhar a experiência?

2 - Já tentou obter contatos de produtores junto da empresa/OP que lhe vai fazer a comercialização?

3 - Nos eventos, ações de formação, etc. já explorou todos os potenciais contatos com outros produtores?

4 - Acredito que a dificuldade que está a sentir deve-se ao número de produtores ser baixo. 
 
NOTA: O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.

LIMÃO - UM NEGÓCIO COM POTENCIAL


A Frutoeste e a Espaço Visual promovem amanhã uma Sessão Pública sobre “A Organização dos Produtores na Fileira do Limão” com o objetivo de esclarecer os produtores de limão e os potenciais novos produtores acerca do estado da arte e o próximo futuro quer na produção, quer na comercialização e exportação.

Programa
Espaço Visual, Gondomar, 2016.12.03

9h30      Receção e boas vindas
               José Martino – Espaço Visual

9h45     A produção e a comercialização de limões.
               A mais-valia da Organização de Produtores “Frutoeste” 
               Domingos Santos - Frutoeste

10h15    Debate

11h30    Visita a uma plantação de limoeiros
                Vila do Conde

12h00    Fim do Evento

Dificuldades na helicicultura

"Bom dia Engº,
Há cerca de 3 anos iniciei com 2000m2 de estufas para criação de caracóis, o projecto foi financiado parcialmente pelo Proder.
Acontece que actualmente o preço de venda dos caracóis já desceu para 1/3 , ainda esta semana ofereceram 1€/kg, o que é impensável pois nem paga o trabalho da apanha,  dizem os vendedores que há excesso de criação daí os preços estarem assim.
Quando entreguei o projecto para aprovação, entre os vários documentos entreguei também um contrato de escoamento com uma empresa a 3.7€/kg e como uma garantia de produção de 8 ton/ano. Essa empresa que fez o contrato não aceita caracol há mais de um ano, bem como o máximo que consegui produzir foi 3 a 4 ton/ano.
Resumindo, não conseguimos vender a nossa produção total, e o que vendemos é a um preço muito baixo. Eu e o meu sócio temos de andar a pôr dinheiro pessoal para pagar o empréstimo, farinha, luz, etc.
O projecto foi de 5 anos, ainda faltam 2 anos. Há alguma forma de cancelarmos o projecto? deverei processar a empresa que nos passou o contrato de escoamento, visto que até foram esses que montaram as estufas,câmara, alevins, enfim tudo !
Peço aqui uma opinião/ajuda ao Engº José Martino.
Com os melhores cumprimentos,".

Comentários:
1 - Na helicicultura tem sucesso quem desenvolve o negócio na estratégia que eu denomino de "projeto de autor", o empresário é responsável pela produção e ao mesmo tempo pela distribuição, comercialização e valorização das suas produções, juntando outras atividades complementares, como sejam o fornecimento de fatores de produção para novos empreendedores, formação profissional, animação para o consumidor, etc.  

2 - Na minha opinião há lugar para a exploração de caracóis com a estratégia uma parte das explorações francesas implementam, produzir com custos muito baixos de instalação e exploração, produzir na época mais favorável, vender diretamente os caracóis para restaurantes e bares da região e a produção que não se consegue colocar em fresco, fazem na própria exploração, uma industrialização artesanal que vendem nas feiras regionais desde o outono até à primavera.

3 - Defendo que devem comercializar o que produzem, promover e participar em festivais de caracóis, vender à porta da exploração, organizar showcooking com caracóis, fazer contatos para exportarem diretamente, etc. tentando valorizar as Vossas produções de forma a compensar pelo incremento do preço, ganhando margem ao elo da cadeia seguinte (comercialização) o abaixamento da produtividade face ao indicado no projeto.

4 - Os primeiros anos nos negócios são mais difíceis que aquilo que conseguimos imaginar, acontece com quase todos os empreendedores aquilo que se passa convosco: ter de levar dinheiro todos os meses para fazer face aos custos operacionais e compromissos. São estes acontecimentos dramáticos que nos fazem empresários: passar da fase da busca de culpados para a construção de soluções, perceber onde pode estar realmente o negócio, onde se pode vir a ganhar dinheiro, o processo não é instantâneo, exige coragem, determimação, acreditar que se vai ter sucesso, fazer o esforço titânico de melhorar nos pormenores em cada dia que passa, vencer os pequenos erros continuando a tentar no dia seguinte, nunca desistir. Quem não sabe isto que estou a descrever é porque não é realmente um empresário, alguém que teve que fazer o seu próprio negócio com "sangue, suor e lágrimas".

5 - Cancelar o projeto? Processar a empresa que assumiu contratualmente a comercialização? Só posso dar conselhos com o conhecimento dos pormenores, o que obviamente não possuo. 

NOTA: O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.   

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Parecer sobre investimentos e a sua rentabilidade a curto e longo prazo.

Boa tarde sr Engº José Martino
Visito regularmente o seu blog e penso que o Sr é a pessoa certa para me esclarecer acerca de um projeto que gostaria de submeter.
Em 2015 submeti um projeto PDR2020 de cogumelos shiitake em troncos mas, por falta de viabilidade, (ou por erro do engº que o submeteu) veio indeferido em setembro 2016.
Agora estou muito confuso, pois gostaria de me lançar com outro projeto mas certamente que shiitake não será opção. Será que o cogumelo branco/paris é viável? Também é aliciante para mim a ideia de produzir mirtilo ou morango. Mas já há tantos produtores... Qualquer produção que eu faça terá de ser em estufa devido ao terreno ser pequeno - 3800m2.
Gostaria que me deixasse o seu parecer sobre estes investimentos e a sua rentabilidade a curto e longo prazo.

Comentários:
1 - Analise quem estando mais perto da sua exploraçao lhe pode valorizar as suas potenciais produções colocando-os no mercado.

2 - Verifique os "ossos de ofício" que cada uma dessas atividades gera e cruze-os com as caraterísticas do seu perfil pessoal de forma a encontrar a melhor atividade que esteja mais à vontade para enfrentar os problemas com maior probabilidade de sucesso.

3 - Instalar-se como jovem agricultor é um processo de elevada responsabilidade porque quem o faz está a assumir um compromisso de muito longo prazo, para mim, é um projeto quase para a vida porque para se recuperar o capital investido são precisos quatro a doze anos, conforme as atividades e o montente totala de investimento, e para ganhar dinheiro são precisos mais anos.

4 - O que falhou no seu processo para depois do esforço que fez para conhecer o negócio, estudá-lo, decidir apresentar o projeto ao PDR 2020, tomar a decisão de alterar a atividade? Acredito que muito tenha mudado nesta fileira para passados quase dois anos para justificar a sua confusão.

5 - Na minha opinião, além do trabalho indicado acima deve o terreno, solo e clima, ser analisado com precaução por um técnico agrícola competente porque me parece ter uma superfície disponivel muito exígua para gerar sustentabilidade económica financeira a médio longo prazo nas atividades agrícolas mais usuais.

6 - Parecer sobre investimentos:
a) Cogumelo branco/paris - sem interesse, exceto se o operador comercial for muito especializado que os consiga valorizar.
b) Mirtilos - área muito pequena (precisa de 1-3 hectares para iniciar a atividade) com grande interesse comercial sobretudo se o operador comercial tiver ponto de entrega a menos de 10 km.
c) Morangos - a superfície muito pequena para garantir rentabilidade a médio longo prazo, exceto se o operador comercial estiver próximo e conseguir valorizar bem o tipo de morangos a produzir.

NOTA: O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.