O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Distribuição, Comercialização e Aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos – 91 horas


Os técnicos responsáveis pelos estabelecimentos de venda e os formadores certificados para ministrar formação na área dos produtos fitofarmacêuticos têm de possuir formação adequada ao exercício das suas funções, de acordo com os regulamentos e disposições legais atuais. Este curso habilita para o exercício destas funções além de ser uma mais-valia para qualquer técnico na área agrícola.

Objetivos
Capacitar os participantes com conhecimentos, competências e atitudes sobre a organização e supervisão da distribuição, comercialização e aplicação de produtos fitofarmacêuticos, de forma segura e de acordo com as boas práticas fitossanitárias, para atuarem como eventuais técnicos responsáveis ou como formadores.

Conteúdos
Boas práticas fitossanitárias;
Meios de proteção das culturas;
Proteção integrada;
Agricultura biológica;
Produtos fitofarmacêuticos
Sistemas regulamentares;
Segurança na utilização dos produtos fitofarmacêuticos;
Redução do risco no manuseamento e aplicação de produtos fitofarmacêuticos;
Redução do risco para o ambiente;
Redução do risco para o consumidor;
Máquinas de aplicação;
Utilização do trator;
Técnicas de aplicação;
Armazenamento de produtos fitofarmacêuticos;
Venda de produtos fitofarmacêuticos;
Acidentes com produtos fitofarmacêuticos.

Destinatários
Técnicos com formação superior na área das ciências agrárias e afins, desde que o plano curricular disponha de unidades curriculares na área da proteção das culturas.

Local e Datas
Local: Gondomar
Data de Realização: 11 março 2016

Horário Previsto: Dias úteis - 18:30-22:30; Sábado: 9:00-13:00; 14:00-18:00.

Duração
91 horas

Informações
Custo: 410€ (Isento de IVA; Certificado de Formação Profissional)
Inscrições limitadas a 16 participantes.
Mais informações: contacte dep.formacao@espaco-visual.pt ou telef.: 224509047

domingo, 21 de fevereiro de 2016

SESSÃO DE PROMOÇÃO DO KIWI JINTAO | COOP. AGRÍCOLA DE LOUSADA | 25 DE FEV.

 

Objetivos:
Promover 200 novos hectares de produção de kiwi amarelo Jintao.
Difundir o potencial de negócio do kiwi amarelo Jintao.
 
Programa:
 
 - Abertura de secretariado
- Apresentação do potencial associado ao Kiwi Amarelo Jingold
- A estratégia e modelo de investimento
 - Debate
 
Destinatários: Kiwicultores, Empresários e Empreendedores agrícolas.
 
Data: 25 de Fevereiro de 2016
Hora: 14:30
Local: Cooperativa Agrícola de Lousada
 
Informações:
 
Participação gratuita mas com inscrição obrigatória em www.espaco-visual.pt

Que atividades agropecuárias para Amarante?

 
Boa noite Eng.º José Martino,
Tenciono investir num projeto agrícola e com a leitura do artigo fiquei interessado na cultura do Pistacho. O espaço geográfico para o projeto seria o concelho de Amarante, limítrofe ao de Vila Real, que de algum modo penso ter significativas semelhanças de clima para o cultivo mencionado.
 
A minha pretensão é de propiciar uma cultura intensiva, solicitando aqui ao Eng.º José Martinho, orientações no sentido de esclarecer os requisitos em termos de área que o cultivo exige, entre outros assuntos que considere para o contexto, assim como, informação relativa à existência de alguma organização de produtores que assegure o pleno escoamento do produto.
 
Para finalizar, permita-me mencionar que outra cultura tem sido alvo de interesse para atividade de jovem agricultor, nomeadamente a do mirtilo. Será esta última mais adequada para a região mencionada? Relativamente à existência de organização de produtores, existe maior segurança nesta cultura?
 
Comentários:
1 - O distrito do Porto não tem aptidão climática para a cultura do pistácio (verificar mais detalhe em posts sobre este tema neste blogue).
 
2 - Para o concelho de Amarante pode pensar na vinha, mirtilo, framboesa, kiwis, maçãs de variedades autóctones, cogumelos, bovinos maroneses, porcos raça bísara, etc.  
 
3 - Recomende que marque uma consulta com a Eng. Sónia Moreira da Espaço Visual (917 075 852).

Sessões de divulgação do pistácio

Boa tarde Sr José. Chamo me ..., habito e tenho propriedades na zona de Seia, e estou a entrar em contacto consigo para lhe perguntar se irá haver alguma sessão de esclarecimentos sobre a cultura de pistacho na zona de Viseu ou Coimbra.
Estaria interessado em participar numa próxima sessão para saber se e possível/viável a cultura na minha zona.

Comentários:
1 - Os distritos de Viseu e Coimbra não terão sessões de  divulgação da cultura do pistácio porque não têm aptidão climática para esta cultura.

2 - Recomendo nos próximos tempos esteja atento ao website e facebook da Espaço Visual para controlar as sessões públicas de divulgação que ficarão mais perto da zona de residência e trabalho.

domingo, 14 de fevereiro de 2016

Palestra “kiwis e pistachos: perspetiva da produção em modo biológico”

Irei proferir uma palestra sobre o tema “kiwis e pistachos: perspetiva da produção em modo biológico” na Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC),  no próximo dia 4 Março das 14 h às 17 h.
Irei partilhar com os alunos do curso de Mestrado em Agricultura Biológica e todo o público da ESAC que tenha interesse no assunto, a minha experiência na dinamização destas culturas em Portugal, o histórico da evolução de ambas (sabendo que grande parte tem sido em modo de produção convencional), a situação atual do mercado e as perspetivas futuras, especialmente no modo de produção biológico.

24 DE FEV | WORKSHOP PARA EMPREENDEDORES AGRÍCOLAS | COMO CRIAR UM NEGÓCIO AGRÍCOLA DE SUCESSO | UTAD - VILA REAL

 

O sucesso dos investimentos na agricultura está muito dependente do potencial intrínseco da personalidade do empreendedor e do método como desenvolve todo o processo desde a decisão de entrar na agricultura ou mudar para melhorar e reconverter o que já está a fazer. Neste sentido, o Programa do evento irá fornecer aos participantes meios para melhorarem as suas competências como empreendedores agrícolas de elevado potencial para o sucesso nos seus investimentos.  
 
Programa:
- O Perfil do Investidor
- O Projeto de Investimento
- O Plano de Negócios
- O Financiamento
 
Conferencista:
Eng.º José Martino,
CEO da consultora agrícola "Espaço Visual";
CEO da empresa de desenvolvimento rural "Rurisocieta";
 
Empresário Agrícola;
 
Blogger (josemartino.blogspot.pt );
 
Colunista em diversos jornais generalistas, económicos e especializados em agricultura.
 
Data:
24 de Fevereiro
 
Horário:
14H
 
Local:
Auditório das Pedrinhas junto à Capela da UTAD
 
INSCRIÇÕES GRATUITAS MAS OBRIGATÓRIAS
 

Como devo proceder para me instalar como jovem agricultor?

 
"Boa tarde,
Desde já Parabéns pelo 8º aniversário e obrigado por continuar a fazer este trabalho.
 
No seguimento do artigo, gostaria de saber onde, no distrito do Porto, posso obter mais informações acerca da procura de mercado para culturas que possam ser desenvolvidas principalmente em Hidroponia.
 
Estou a desenvolver um projeto que poderei vir a candidatar ao PDR2020 caso se mantenham estes apoios, e estou em fase de definir qual a cultura ou culturas a apostar: Serão as ervas aromáticas, os cogumelos?... Tenho dúvidas e não encontro muita informação recente.
 
Agradeço se me puder indicar onde pesquisar ou quem contactar para recolher mais informação e tomar uma decisão mais certeira em termos de investimento.
 
Melhores cumprimentos".
 
Comentários:
1 - Para obter mais informação no distrito do Porto sobre hidroponia deve marcar uma consulta com a Eng, Sónia Moreira da Espaço Visual (917 075 852).
 
2 - Para a procura de mercado das produções hidropónicas deve  visitar o mercado abastecedor do Porto, os mercados e feiras municipais, entrepostos de comercialização de hortofrutícolas, etc.
 
3 - Para definir a atividade que irá abraçar analise qual o seu perfil, se tem vocação para atividades muito intensivas ou extensivas, pesquise na internet, visite produtores já instalados, tire partido o conhecimento prático sobre o empreendedorismo agrícola que possui a Eng. Sónia Moreira  

Será que estou a ser demasiado negativo?

 
"Boa tarde,
Isto realmente é uma vergonha, tenho um familiar com um projecto submetido em Julho e não há previsões para quando ele será avaliado. e com esta historia do orçamento e com uma possível queda do governo, provavelmente este ano não existe aprovações de projecto pelo menos de forma a responder aos milhares que estão à espera. Será que estou a ser demasiado negativo? Abraço e continuação de excelente trabalho. Nota: Já assinei a petição."
 
Comentário:
1- Falta massa crítica na sociedade portuguesa sobre a importância dos apoios públicos ao investimento na agricultura e à instalação dos jovens agricultores sobretudo para dois terços do território nacional, as regiões muito deprimidas e sem alternativas de desenvolvimento económico que não sejam a agricultura e a agroindústria.
 
2 - Do grau de importância atribuído ao ponto 1 pela sociedade portuguesa à agricultura assim resultará o mesmo grau de prioridade na atribuição de orçamento de estado 2016 e seguintes para este mesmo objetivo. Conclusão: parece implícito que a leitura dos decisores políticos à análise dos portugueses indica que em altura de aperto orçamental a agricultura e o mundo rural não são prioridades orçamentais, pois em função da procura de apoios ao investimento, na minha opinião, devem ser precisos pelo menos mais 200 M€ para apoiar todas as candidaturas já submetidas 
 
3- O desenvolvimento das agriculturas de Portugal será aquilo que nós portugueses sejamos capazes de fazer, de mostrar que os apoios públicos não são esmolas pagas pelos contribuintes europeus e nacionais porque não demoram cinco anos a serem devolvidos em IRS, IRC, contribuições para a segurança social, além do Estado poupar nos apoios dados em subsídio de desemprego e apoios sociais. Este tipo de apoios são dados aos agricultores em toda a Europa, mesmo nos países cujas economias e agriculturas são desenvolvidas porque há um risco climático e estrutural muais elevado na agricultura face aos setores de atividade económica, dai que no caso português, se houvesse justiça na distribuição das ajudas dentro dos países da UE, os apoios europeus e nacionais deveriam ser mais elevados para chegar a maior número de agentes do mundo rural (a maioria dos mais de 200 000 players agrícolas portugueses não recebe qualquer apoio público à sua atividade). 

4 - A realidade indica que quando o sistema de tramitação das ajudas funciona normalmente ao longo de um largo período de tempo, faz com que exista um incremento de candidaturas devido há confiança que gera na sociedade portuguesa. Nessas alturas são usuais expressões do tipo:  "agora é que vai ser! A agricultura é uma oportunidade  que está a ser apoiada como deve ser! A agricultura vai dar a volta!".
A mesma realidade e a experiência do passado dos muitos quadros comunitários de apoio anteriores trazem conhecimento que o indicado no seu comentário ocorreu em todos em eles, levam a concluir que em 6/7anos de apoios há sensivelmente metade do tempo em que estão fechados (1,5 a 2 anos no inicio para lançar colocar em funcionamento e 1 a 1,5 anos no fim por falta de verbas para atribuir).

5 - As equipas de análise do ministério da agricultura têm limite quanto ao número de candidaturas tramitadas, não devem estar dimensionadas para este períodos temporais de pico na procura sob pena de dentro de um ano estarem sobredimensionadas para os próximos anos, pois não há dinheiro para satisfazer tão elevada procura.           

Tem interesse pistácio e amêndoa em Mirandela?

 
"Boa noite sr. engenheiro,
Chamo- me ... tenho 25 anos e sou possuidor de 3 hectares de terras de cultivo na zona de Mirandela. Estou ainda em vista de adquirir mais 5 hectares. Queria lhe perguntar se acha que o investimento na cultura de amendoeiras e pistachio seria rentável.
Já há algum tempo que ando a pensar candidatar-me ao pdr 2020 e fazer o curso de jovem agricultor. Gostaria de saber a sua opinião. Desde já um muito obrigado pela sua disponibilidade e pelo seu blogue"
 
Comentários:
1 - A cultura do pistácio parece-me muito rentável em regadio para o concelho de Mirandela, desde que os terrenos em causa tenham aptidão de solos e clima para esta cultura.
2 - A cultura da amêndoa tem rentabilidade em regadio embora que pareça que a médio prazo a sua margem bruta irá ficar muito estreita devido ao elevado número de hectares de amendoal que se estão a plantar em Espanha.
3 - Na minha opinião deve candidatar-se aos apoios da PDR 2020 para se instalar como jovem agricultor. Para essas culturas começará pelos 8 hectares e passados alguns anos terá de caminhar para os 20 a 30 hectares para tirar melhor rentabilidade do investimento e da sua capacidade de gestão.
4 - Para o ajudar sobre a melhor estratégia para se tornar um empreendedor marque uma consulta com a Eng. Inês Anacleto da Espaço Visual (910905474)

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Consultório Agrícola ao alcance de um clic




Blogue de José Martino
comemora 8º aniversário
 
|Está transformado num Consultório Agrícola de acesso gratuito|
 
“José Martino Blogger”, é o nome do blogue sobre Agricultura que tem o nome do seu autor – José Martino, engenheiro agrónomo, empresário e consultor agrícola, CEO da empresa de consultoria agrícola Espaço Visual.
O blogue, que faz dia 8 de fevereiro, 8 anos de existência, é uma referência nacional no setor da agricultura. Tratando-se de um blogue temático sobre a atividade agrícola, a média diária de cerca de 500 visitas, coloca-o na liderança dos mais consultados neste setor.
É, para o seu autor, uma ferramenta essencialmente de trabalho, onde José Martino gosta de fazer pedagogia e reflexões sobre a atualidade agrícola. Hoje, o “José Martino Blogger” (josemartino.blogspot.pt) é essencialmente um Consultório Agrícola.
O CEO da Espaço Visual revela que recebe centenas de emails diários com as questões mais variadas. Como criar um projeto agrícola, o que produzir, como produzir, como aceder aos fundos comunitários, etc…
É um trabalho gratuito mas gratificante. “É das iniciativas que desenvolvi na minha vida que mais custos e sacrifícios me tem acarretado. O objetivo deste blogue é ser um instrumento de mudança de mentalidades e debate de ideias, para transformar a agricultura”, afirma José Martino.
Para comemorar este 8º aniversário, José Martino convida os seus leitores para um debate sobre os temas colocados no blogue, no dia 12 de fevereiro, a partir das 17.30 horas, nas instalações da Espaço Visual, Av. Ass. Comercial e Industrial de Gondomar, 290 (zona industrial de Gondomar).

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Culturas da Moda na Agricultura

A agricultura é uma atividade económica em que há falta de massa critica, opiniões resultantes do estudo, conhecimento, experiência na resolução de problemas e estrangulamentos das agriculturas de Portugal. Esta falta de esforço em prol de soluções que ajudem a sociedade a desenvolver-se e criar valor fazem que sejam aceites preconceitos sobre as produções agrícolas tal como acontecia no passado quando o mercado agrícola e agroalimentar era fechado ao comércio internacional, como por exemplo, aumentar as superfícies de produção agrícola leva a forte abaixamento dos preços de produção, as novas atividades agrícolas (fator novidade) são muito mais rentáveis que as culturas usuais, tradicionais, correntes, etc.
Para uma grande parte dos investidores agrícolas faz sentido dedicar-se a novas atividades porque são mais rentáveis que as correntes. É muito usual a seguinte questão sobre novas atividades agrícolas: agora, o que está a dar?
Neste sentido implementam-se culturas em determinado período temporal que as colocam como coqueluche e autênticas "modas", muitos dos seus investidores perdem a racionalidade económica nos investimentos tão focados que se colocam no preço de venda e nos valores financeiros que podem vir a obter no futuro. Claro que qualquer oscilação de preço em queda, mesmo que continue a existir rentabilidade nessa cultura (valor de venda das produções acima do custo de produção efetivo ou económico) faz com que estes especuladores deixem de cuidar devidamente das culturas ou mesmo que as abandonem. Certamente que a existência de massa critica nessas fileiras colocariam muitos desses players nos seus devidos lugares motivando-os a fazer o que está ao seu alcance pra melhorarem as produções e a respetiva qualidade.       

Oportunidade Técnica de Operação Agrícola

A agricultura de mercado é um negócio muito exigente porque exige que se faça cada operação cultural na melhor oportunidade técnica ou seja fazer a operação certa na hora certa. Por exemplo, se tenho uma cultura em stress hídrico extremo tenho que a regar rapidamente sob pena de comprometer a quantidade e qualidade das produções, a produção do ano seguinte ou mesmo a própria cultura/planta.
Na minha opinião é devido a este fator que para a mesma atividade agrícola, na mesma região, mesmas condições, eu conheço empresários agrícolas que ganham muito dinheiro, outros que ganham, outros nem perdem nem ganham e há outros a perder dinheiro. Muitos destes casos são explorações agrícolas contíguas.

Pistácio - solos e climas

A Pistácia (planta que produz o pistácio) necessita de invernos muito frios e verões muito quentes, baixa precipitação e humidade relativa nos meses de abril a setembro, baixa incidência de geada no mês de abril. Neste sentido só têm aptidão para esta cultura os distritos de Bragança, Vila Real, Guarda, Castelo Branco, Portalegre, Évora e Beja. Os solos devem ser muito bem drenados ao longo de todo o ano.
Para mais informações devem marcar consulta com o arq. Benjamim Machado (924433183) para terrenos situados nos distritos de Portalegre, Évora e Beja ou a Eng. Inês Anacleto (910905474) para terrenos situados nos restantes distritos.