O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


terça-feira, 31 de maio de 2016

O Portugal que não cruza os braços


Hoje, a caminho de Espanha, acompanhando uma visita de estudo a explorações de pistácio com um alargado grupo de agricultores portugueses interessados em investir nesta cultura, aproveitei o tempo de viagem para refletir sobre a coragem e a resiliência dos agricultores portugueses.
Temos um país magnífico, pessoas generosas e hospitaleiras, gente empreendedora e trabalhadora, vivemos em tranquilidade, sem grandes turbulências, um clima fantástico, uma gastronomia única, paisagens de sonho, uma costa fantástica. O que nos falta para sermos um dos países mais desenvolvidos do Mundo?
Cada um que responda para si a esta pergunta.
Hoje, um grupo de portugueses levantou-se de madrugada para ir ver, aprender, conhecer o que de melhor se faz numa cultura que está a dar os primeiros passos em Portugal: o Pistácio. O que os motiva?
Hoje, alguns colaboradores meus levantaram-se de madrugada para ir ao terreno, junto dos agricultores e dos agentes agrícolas, saber dos problemas, das necessidades e arranjar soluções.
Vivemos num novo quadro de apoio comunitário. O PRODER deu lugar ao PDR 2020. Nos últimos anos, a empresa de consultoria agrícola Espaço Visual, de que sou CEO, organizou sessões de esclarecimento em todo o país para milhares de jovens agricultores para esclarecer sobre as mudanças do PRODER para o PDR 2020.
Não ganhamos um cêntimo com este trabalho. Quem devia ter feito este serviço público?
Na Espaço Visual sabemos que só podemos contar connosco e com os nossos parceiros e clientes. Tenho a paixão pela agricultura, mas também como empresário tenho de ter a racionalidade para perceber as necessidades do mercado.
Neste blogue, que é praticamente um consultório agrícola gratuito, faço serviço público e não cobro um cêntimo pelo trabalho e o tempo que disponibilizo em prol dos meus leitores. Na minha empresa, zelo pela segurança dos meus colaboradores e procuro fornecer aos jovens agricultores um serviço que lhe evite a via sacra das burocracias.
Por isso, não deixamos ninguém sem solução: seja para as necessárias ações de formação PDR 2020 (http://www.espaco-visual.pt/forma%C3%A7%C3%A3o-pdr2020-jovens-agricultores), seja para a explicar as vantagens de uma eficaz gestão financeira (http://www.espaco-visual.pt/consultoria-de-gest%C3%A3o) e contabilidade agrícola (http://www.espaco-visual.pt/contabilidade), seja para qualquer área de negócio essencial para montar um projeto agrícola sustentável e com sucesso (http://www.espaco-visual.pt/areas-negocio).

Pronto, já sei porque ainda estamos longe de ser um dos países mais desenvolvidos do Mundo. Falta-nos decisores públicos que pensem como os jovens empreendedores, que arriscam, investem, procuram mais conhecimento, mais experiência. Em suma: vão à luta!

Sem comentários: