O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

FLORESTA

A floresta portuguesa do continente ocupa 3,15 milhões de hectares em 2010 segundo o inventário florestal (35,4% do território continental), com a seguinte distribuição:

Espécie
     Área(ha)
Pinheiro bravo
714400
Eucalipto
811900
Sobreiro
736800
Azinheira
331200
Carvalho
67100
Pinheiro manso
175700
Castanheiro
41400
Folhosas diversas
177800
Resinosas diversas
73200
Outras espécies
24500
Total
3154000




É recomendável que a floresta suba a superfície onde há maior probabilidade de elevada produtividade potencial das plantas lenhosas para abastecer os clusters industriais.
Há que ter em conta que 18,7% das florestas do continente está integrada na rede de áreas protegidas e 23% da área de floresta nacional está incluída na Rede Natura 2000.
Em Portugal predominam 4 tipos de florestas:
1- Montado
2- Floresta plantada com espécies autóctones para a produção de madeira, pinheiro bravo
3 – Silvicultura intensiva, talhadia em rotações curtas, exóticas, exemplo, eucalipto ou espécies nativas como o castanheiro em talhadia
4 – Floresta de regeneração natural que muitas se inicia com o abandono da agricultura, passando a povoamentos mistos de pinheiro bravo, pinheiro manso e folhosas autóctones. Dentro destes espaços integram-se as áreas protegidas.

A distribuição por classes de uso no território continental:

Uso do solo
1995 (ha)
2005 (ha)
2010 (ha)
Variação base ano 2010 %)
Floresta
3305000
3211000
3154000
-4,8
Matos e pastag.
2539000
2720000
2853000
11,0
Agricultura
2407000
2205000
2114000
-13,9


A superfície florestal pode crescer ocupando superfícies de matos, as quais tenham potencial para crescimentos lenhosos elevados, invertendo o ciclo que se tem feito sentir desde 1995 (perda de 10 000 hectares por ano de floresta).

NOTA: O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.

Sem comentários: