O autor deste blogue reserva-se o direito de publicar e responder aos e-mails e comentários que lhe são enviados (critérios: disponibilidade de tempo e interesse para os leitores). Os e-mails e comentários a merecer resposta devem obedecer à seguinte condição: o seu autor deve estar devidamente identificado com endereço e-mail e número de telemóvel.


domingo, 25 de março de 2018

Cereais de inverno

Olá,
Verifico que no seu blogue ajuda e responde a todos sobretudo jovens agricultores, a quem não percebe nada de agricultura até aqueles dominam a atividade. No meu caso estou ligado à cultura de cereais de inverno e gostaria de saber a sua opinião sobre este setor: deve continuar como está ou fazer o trabalho de loby centenário do junto do Estado para se manter com apoios públicos tendo maior dimensão?

Agradeço a resposta.

Cumprimentos,

Comentários:
1.      Portugal não tem condições de solos e clima para a cultura dos cereais de inverno que lhe permita ter a quantidade necessária para abastecer o seu mercado interno.
2.      Na minha opinião não se deve incrementar a cultura dos cereais através de apoios públicos, diretos ou indiretos, porque existem culturas alternativas mais adaptadas e rentáveis que contribuem de forma mais competitiva para o incremento das exportações ou substituição de importações. O valor financeiro gerado por estas atividades deve ser usado para comprar cerais no mercado internacional a países que são muito competitivos a produzir cereais a baixo custo. A Holanda é e.g.  desta estratégia porque produz 5% das necessidades do seu consumo e não deixa de ser um país com independência alimentar.
Em Portugal, na produção de cereais, deve-se optar por variedades para nichos de mercado que pagam mais por essas produções, cerais para matéria primas de qualidade usadas na produção de malte para cerveja, baby food e farinhas especiais para panificação, etc.

Sem comentários: