Carta aberta a Paulo Portas


Há dias, ouvi V. Exª dizer aos jornalistas que “só falava de agricultura”. Intuí que tentou escapar a perguntas incómodas, mas espero estar enganado. V. Exª é uma espécie de paladino dos agricultores, pelo que não acredito que utilize a agricultura como escapatória para se furtar a falar de temas mais “quentes” mas certamente menos importantes para a economia.
Não subscrevo a crítica que alguns anos atrás um ex-ministro lhe fez de que “só falava de agricultura em campanha eleitoral”. A forma como, segundo veio a público, se bateu para o reforço de 500 milhões de euros de fundos comunitários para o desenvolvimento rural leva-me a crer que as suas palavras não são levadas pelo vento.
Contudo, o sector agrícola nacional necessita de opções políticas claras e que assumam rupturas com o “status quo”. Registo como positivo que a actual ministra da Agricultura evitou a devolução de dinheiro a Bruxelas e que tem junto das Finanças assumido o pagamento atempado das ajudas públicas ao investimento.
Mas é preciso inverter uma lógica que se baseia em dar dinheiro a todos. Temos de identificar as pessoas mais competentes ao nível do empreendedorismo e gestão, sobretudo aquelas que o são no seio dos agricultores, e privilegiar estes agentes para terem acesso às ajudas públicas ao investimento, produzindo de forma eficiente e eficaz, promovendo o incremento da dimensão por exploração ou agro indústria e caminhando para as economias de escala.
Temos um PIB agrícola abaixo dos 4%. Para alcançar os 10%, meta que julgo exequível nos próximos anos, é preciso tirar partido integral da superfície irrigável no Alqueva e explorar devidamente os demais regadios existentes ao longo do país. Por outro lado, é imperativo da independência económica de Portugal colocar a agricultura a gerar valor acrescentado.
A agricultura tem de ser olhada como um negócio e não como um hóbi ou mera actividade de lazer. Os empresários agrícolas, com perfil e vocação para assumir riscos, adquirir competências, dar valor acrescentado ao “made in” Portugal para entrar em novos mercados de exportação, na Ásia, na América Latina, etc,, devem ser apoiados e financiados.
O sistema de ajudas públicas ao investimento tem de ser mais eficaz. Tem de saber distinguir a “agricultura de mercado” da “agricultura de subsistência”, que não deve ser abandonada pelo Estado. Uma política agrícola de “nova geração” deve obedecer a uma estratégia de longo prazo, no mínimo duas legislaturas, com evidentes vantagens para a nossa competitividade agro-industrial.
Recentemente V. Exª disse que o Alqueva é a Auto-Europa da agricultura. Para que não fiquemos apenas pelo “soundbyte”, permita-me elencar algumas propostas para uma agricultura mais competitiva, agora que vai arrancar o PDR (Plano de Desenvolvimento Rural) 2014/2020: Valorizar o perfil empresarial e competência profissional do agricultor, no acesso à ajuda pública ao investimento; Privilegiar as economias de escala dos projectos candidatos aos apoios; Privilegiar o apoio a projectos que garantem a fixação do agregado familiar em zonas de desertificação; Cumprimento dos prazos de pagamento; Criação de um tipo “crédito habitação”, para apoiar a reestruturação fundiária das explorações.

artigo de opinião publicado na edição de hoje (26 de maio de 2014) do Jornal de Notícias.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Rentabilidade da Cultura da Vinha e Economias de Escala

Ajudas ao investimento nos castanheiros