Jovens Agricultores - Apoios Financeiros

Caro Eng. José Martino,
Estive a fazer uma pesquisa e verifiquei que o ministro da agricultura Capoulas Santos e a sua equipa de secretários de estado que agora terminam funções já anunciaram pelo menos 3 vezes o empréstimo do Banco Europeu de Investimentos (BEI) para uma linha de crédito de muito longo prazo de amortização e carência com o objetivo de apoiar os projetos de jovens agricultores e outros, cujos projetos não foram financiados pelo PDR2020. Tem alguma informação sobre o estado da arte deste processo?
Cumprimentos,

Comentários:
1. Portugal está a perder uma excelente oportunidade de criar riqueza, emprego e promover exportações ao não criar condições para que os jovens agricultores que se querem instalar pela 1.ª vez com projetos de investimento na agricultura e outros já instalados que têm sucesso nas respetivas atividades, não consigam obter ajudas financeiras públicas para apoiar os seus objetivos de empreendedorismo localizados em zonas deprimidas ao longo de todo o território nacional.

2. Como as candidaturas aos apoios públicos são pelo menos três vezes acima das disponibilidades orçamentais das medidas do PDR2020 é necessário reforçar as verbas de apoio ao investimento nas agriculturas de Portugal com 300 M€ do orçamento de estado para 2020.

3. Como medida complementar de apoio deveria funcionar o financiamento bancário, o qual ao longo do últimos anos tem taxa de crescimento elevada, a qual não chega para dar resposta às necessidades que verifico existirem no terreno e que está a gerar os factos que identifico em 1.

4. O empréstimo do BEI que o leitor identifica, tenho a certeza que é uma excelente oportunidade de criar um veiculo financeiro para apoio às agriculturas de Portugal, porque permitiria com prazos de carência até 7 anos e amortização até 13 anos (período de vigência temporal até 20 anos) que o serviço da dívida seja pago com a atividade/criação de riqueza, pois desta forma os respetivos prazos temporais estão em linha com as curvas de produção das atividades agrícolas ou pecuárias. Permitem absorver sem criar ruturas no cumprimento do empréstimo, os anos de fracas/baixas produções.

5. Respondendo à pergunta que coloca: não tenho informação sobre quando estará a funcionar nos bancos a linha de crédito do BEI, estranho o atraso na sua implementação (foi anunciada pela 1.ª vez na AGROGLOBAL em setembro de 2018) e faço votos para que a equipa do ministério da agricultura que hoje toma posse a coloque a apoiar os jovens agricultores até final deste ano.   

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Rentabilidade da Cultura da Vinha e Economias de Escala

Ajudas ao investimento nos castanheiros