Apoios e rentabilidade da cultura do kiwi

Nas duas últimas semanas houve um debate entre os leitores deste blogue sobre os apoios e rentabilidade na cultura do kiwi. Aqui está a minha opinião sobre este assunto:
Os projetos de apoio à instalação de jovens agricultores na implantação de pomares de kiwis só apresentam rentabilidade para superfícies mínimas de quatro hectares ou muito próximas. Este número resulta do facto do custo de implantação de cada hectare de kiwis estar situado entre 30000 e 50000 euros, inclui a plantação (mobilização profunda, tração, mão-de-obra, plantas, estrutura de suporte e fertilizantes) os melhoramentos fundiários (terraplanagens, despedrega, drenagens, captação (poços ou furos), armazenamento (tanques ou charcas) e distribuição de água, construções (armazém de apoio) e equipamentos (sistema de rega por microaspersão ou microjet, trator e alfaias, etc.). As novas plantações só começam a produzir a partir do terceiro ano após a implantação e atingem a plena produção ao quinto ano (a conta de tesouraria só atinge o equilibrio ao quarto ano). A recuperação do investimento é conseguida entre o sétimo e o nono ano, depende do valor do investimento, isto acontece captando os apoios do ProDeR (sem este apoio financeiro, a recuperação do investimento demora mais dois a três anos).

Espero que fiquem claros os seguintes pontos:
1 - A cultura do kiwi é rentável a médio prazo porque demora cinco anos a atingir a plena produção e os investimentos são elevados.
2 - Mesmo com os apoios de instalação dos jovens agricultores são necessários capitais próprios e crédito para o investimento na instalação e para fundo de maneio para suportar os custos de exploração nos primeiros quatro anos.
3 - Existe uma linha de crédito a dez anos, disponibilizada pelas Caixas de Crédito da Área Metropolitana do Grande Porto, Vale do Sousa e Tâmega, e Noroeste, com quatro anos de carência (só há lugar ao pagamento de juros) e dez de amortização (pagamento do empréstimo entre o quinto e o décimo anos)

Comentários

José Santos disse…
José, obrigado pelo seu trabalho. Gostaria de saber, se me puder ajudar, onde posso encontrar dados relativos ao montante de investimento, tempo da sua recuperação e rentabilidade de explorações de frutos vermelhos e ervas aromáticas.
Obrigado!
Continue o bom trabalho
José Martino disse…
Pode obter a informação pretendida na Espaço Visual, para tal basta marcar uma reunião com a eng. Sónia Moreira (22 450 90 47)
Margarida Pereira disse…
E as aromáticas,na sua opinião são rentáveis? Atendendo a que depois de secas pesam muito pouco e exigem muita mão de obra...
Anónimo disse…
Boa Tarde

Tenho em marcha a instalação de um projecto agrícola e pretendo obter um empprestimo com as caracteristicas anunciadas no seu blog que são possíveis por algumas CCAM.
Será possível indicar-me qual a pessoa responsável por tais processos na CCAM do grande porto.

Obrigado

Armindo Alves
José Martino disse…
Contate na agência da Maia, da Caixa de Crédito Agrícola da Área Metropolitana do Porto, o seu diretor comercial, Sr. Jorge Ferreira
Margarida Pereira disse…
Bom dia,

Parece-me que respondeu à minha pergunta (porque fiz "pesquisar neste blog"), contudo não consigo encontrar o conteúdo... será que poderá publicá-lo novamente? É sobre a rentabilidade das PAM. Muito obrigada pela disponibilidade!

Mensagens populares deste blogue

Rentabilidade da Cultura da Vinha e Economias de Escala

Ajudas ao investimento nos castanheiros