O Alentejo tem aptidão para a cultura do kiwi? (2)

Bom dia, estou em Montemor-o-Novo e conheço um agricultor com uma cultura de kiwi que se situa em Estremoz, por isso tenho a prova viva que é possível e sem mt trabalho.  

Comentários:
1. Recebi o texto acima sobre o post que publiquei neste blog com o título: O Alentejo tem aptidão para a cultura do kiwi?

2. Existir um produtor com a cultura do kiwi em determinada região sem total aptidão de clima, não significa à partida que, os níveis de investimento mais elevados para colocar redes para ensombrar as plantas, objetivo de controlar as temperaturas acima dos 30.ºC, possam ser interessantes do ponto de vista económico como consequência do investimento gerar liquidez para pagarem as amortizações, ou que  tenha a produtividade para ter rentabilidade adequada, decorrente da região ter o número de horas de frio para quebrar a dormência invernal.

3. No post referenciado acima que escrevi em 17 de fevereiro de 2013, coloquei um ponto com o seguinte: “Na minha opinião a região do Alentejo não tem aptidão para a cultura do kiwi porque durante o Verão, a humidade relativa do ar é muito baixa e a temperatura média do ar é superior a 30.ºC (creio que só perto da costa marítima encontraria estas condições). No entanto, terá de verificar se existe frio suficiente para a quebra da dormência das plantas, 500 a 700 horas de temperatura abaixo de 7.ºC de novembro a março (inclusive)”. No entanto,  verifico que passados 6 anos, em Espanha, há implantação da cultura do kiwi em regiões mais quentes e secas, menos hora de frio invernal, fazendo-se as plantações com a colocação de estrutura de suporte e aplicação de redes anti granizo/corta ventos/sombra, controlo de temperaturas acima dos 30.ºC e aumentam a humidade relativa do ar junto às plantas e novas variedades, polpa amarela ou vermelha, menos exigentes no número de horas de frio invernal para quebra da dormência.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Rentabilidade da Cultura da Vinha e Economias de Escala

Ajudas ao investimento nos castanheiros