Uma Proposta de Fórmula para Atribuição de Subsídios ao Rendimento dos Agricultores

O JN de 6.ª Feira passada tem um artigo sobre “População vive do campo e não tem ordenado” e é certamente por isto que “Vinhais é o concelho com menor poder de compra "per capita" em Portugal”. O que eu defendo é que os subsídios ao rendimento agrícola deveriam ser atribuídos para manter um rendimento per capita do agregado familiar agrícola igual ao salário médio português.

Estes subsídios seriam dados enquanto os agricultores mantivessem as suas explorações devidamente tratadas, sobretudo com as culturas e animais tradicionais. Desta forma, os agricultores seriam avaliados pela sociedade como cidadãos tão úteis como os demais, porque viveriam com dignidade prestando um serviço de valor à sociedade: preservação da biodiversidade e da paisagem. Por outro lado, haveria um incentivo para as terras não serem abandonadas, pois desempregados urbanos teriam um incentivo para reciclarem as suas profissões por optarem por continuarem no campo com a sua vida activa.

Acho que este é o caminho para que a distribuição da riqueza nacional seja feita de forma equilibrada por todo o território nacional.

Comentários

Anónimo disse…
.
E em termos operacionais ...
Como se faria o controlo da situação?

Salário médio nacional?
Qualquer pessoa preferia ficar em casa ( porque ganhava mais dinheiro ) a "tratar" da horta do que trabalhar por conta doutrém.

E depois ...
Onde se iam buscar os trabalhadores para a Agricultura Empresarial?

Eu também acho que se tem que apoiar mais e melhor a Agricultura Familiar ...
Mas as coisas têm que ser muito bem pensadas!

Alexandre
.
Anónimo disse…
O conceito e a ideia está muito boa.

Parabens.

Claro que em termos operacionais, era necessario estudar e articular bem a situação.

Mas o despovoamento do interior, como Vinhais, e as assimetriais Litoral-Interior ou Cidade-Campo é o hoje o nosso maior problema.

Urge uma intervenção, para salvaguar, salvar a matriz portuguesa, e obviamente a biodiversidade e também a diversidade socio-cultural

Francisco Terra

franciscoterra1974@gmail.com
Anónimo disse…
O conceito e a ideia está muito boa.

Parabens.

Claro que em termos operacionais, era necessario estudar e articular bem a situação.

Mas o despovoamento do interior, como Vinhais, e as assimetriais Litoral-Interior ou Cidade-Campo é o hoje o nosso maior problema.

Urge uma intervenção, para salvaguar, salvar a matriz portuguesa, e obviamente a biodiversidade e também a diversidade socio-cultural

Francisco Terra

franciscoterra1974@gmail.com
José Martino disse…
A inovação comporta riscos. A proposta feita pernas para andar se começasse do ponto de vista piloto nos concelhos com maior desertificação humana. Hoje visitei uma exploração no concelho do Sabugal e esta Região tem todas as condições para experimentar os apoios ao agragado familiar agrícola.

Mensagens populares deste blogue

Rentabilidade da Cultura da Vinha e Economias de Escala

Ajudas ao investimento nos castanheiros